14, dezembro , 2018
Home Jundiaí de Antigamente Há 36 anos morria ADONIRAN BARBOSA, entregador de marmitas em Jundiaí

Há 36 anos morria ADONIRAN BARBOSA, entregador de marmitas em Jundiaí

Falar de Adoniran Barbosa é pensar São Paulo, seu povo e suas transformações. Uma obra que transcende o universo sonoro, o ritmo e a melodia para se afirmar como crônica urbana, registro de uma época e de uma parte da cidade comumente deixada de lado. Junto de cada coro que entoa Saudosa Maloca e Trem das Onze em rodas de samba e karaokês, história e memória fazem algumas das mais potentes aparições dentro da tradição da música brasileira. O que pouca gente sabe é que Adoniran morou em Jundiaí. Aqui, ainda garoto, trabalhou como entregador de marmitas. No início da adolescência, perambulava pelas ruas da cidade e surrupiava bolinhos. Adoniram chegou a comentar os pequenos furtos: “A matemática da vida lhe dá o que a escola deixou de ensinar: uma lógica irrefutável. Se havia fome e, na marmita oito bolinhos, dois lhe saciariam a fome e seis a dos clientes; se quatro, um a três; se dois, um a um”. Ele morreu no dia 23 de novembro de 1982, aos 72 anos.

A vida do compositor foi transformada em documentário: Adoniran – Meu nome é João Rubinato, neste ano. O filme de Pedro Serrano, que já dirigiu um curta sobre o sambista com o titã Paulo Miklos como protagonista, esteve na 23ª edição da mostra de documentários, realizada entre 12 e 22 de abril, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Entender a gênese criativa do maior nome do samba paulista é conhecer o homem. Sétimo filho de imigrantes italianos, Adoniran nasceu em 6 de agosto de 1910 em Valinhos (SP). Foi batizado como João Rubinato. O pseudônimo viria muitos anos depois, unindo o prenome de um amigo com o sobrenome do sambista Luiz Barbosa. João achava que não tinha nome de artista.

De Valinhos, migrou com a família para Jundiaí em 1918 e depois para Santo André. Seguindo uma trajetória típica às suas origens, abandonou os estudos para se dedicar ao trabalho. Transformou-se em entregador de marmitas no Hotel Central de Jundiaí, varredor numa fábrica de tecidos, carregador de vagões da São Paulo Railways, tecelão, encanador, pintor e garçom. Aprendeu o ofício de metalúrgico e abandonou-o por problemas pulmonares. Foi ainda vendedor de ferragens, tecidos e meias.


No programa Ensaio, da TV Cultura, em 1972, Adoniram conta como foi o período em que morou em Jundiaí: 


Os interesses do jovem Rubinato, contudo, estavam em outras ondas. Com 22 anos, dá a cara a tapa no programa de calouros da rádio Cruzeiro do Sul, a primeira de muitas desclassificações motivadas pela voz anasalada e fora dos padrões de excelência da época de ouro. Mesmo assim, consegue um primeiro lugar no programa de Jorge Amaral interpretando Filosofia, de Noel Rosa, em 1933.

Se a voz não trouxe o reconhecimento desejado, as canções fariam justiça às pretensões artísticas de Adoniran. Um ano após compor seu primeiro samba, Minha Vida se Consome (com Pedrinho Romano e Verídico), de 1932, agarra o primeiro lugar num concurso carnavalesco da Prefeitura de São Paulo. A responsável é a marcha Dona Boa, parceria com o maestro J. Aimberê. É a partir daí que João Rubinato dá lugar a Adoniran Barbosa.

Figura de talentos múltiplos, sua próxima aventura se daria como ator radiofônico. Em 1941, ingressa como comediante no programa Serões Domingueiros, onde conhece o produtor e escritor Osvaldo Moles. Os dois firmariam uma parceria puxada por mais de um quarto de século, tanto na composição de sambas quanto no rádio, proporcionando a Adoniran a base textual para desfilar dúzias de tipos que revelariam seu olhar aguçado para a realidade social.

Nos estúdios de rádio surgem Zé Cunversa, o malandro; Jean Rubinet, o galã francês; Moisés Rabinovic, o judeu; Richard Morris, o professor inglês; Pernafina, o chofer italiano; e o sambista Charutinho. É com este último que Adoniran brilha no programa Histórias das Malocas, que se estende na Record até 1965 e ganha também versão para circo e televisão. Cinco prêmios Roquete Pinto de melhor intérprete cômico do rádio paulista atestam o prestígio do radioator.

Essa vocação para atuação se arrisca também no cinema, e Adoniran aparece em filmes, como os da Vera Cruz. Integra O Cangaceiro (1953), de Lima Barreto, Esquina da Ilusão (1953), de Ruggero Jacobi, e Candinho (1954), de Abílio Pereira de Almeida. Duas décadas mais tarde surgiria também na primeira versão da novela Mulheres de Areia, da TV Tupi.

Apesar de a carreira se espraiar entre rádio, cinema e televisão e as incursões como compositor datarem já dos anos 1930, é a produção musical realizada a partir da década de 1950 que imortaliza Adoniran. É de 1955 a gravação dos Demônios da Garoa de Saudosa Maloca, que garante o primeiro sucesso do conjunto. A partir daí, a descrição de cenas populares, com pessoas suburbanas e seus dramas, se juntaria à escrita característica do sambista, com seu português coloquial inspirado no frescor da fala do povo. É quando vêm à luz Joga a ChaveAs MariposasSamba do ArnestoApaga o Fogo ManéIracemaNo morro da Casa Verde e Tiro ao Álvaro, para citar as mais famosas.

“A música popular brasileira é a grande cronista do povo que não teve como registrar a sua história e o Adoniran é um cronista da realidade de São Paulo”, analisa o professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP Ivan Vilela. “Ele está o tempo todo narrando questões cotidianas da cidade.”

Vilela destaca, contudo, que compreender Adoniran apenas pelas palavras de suas canções é reduzir suas qualidades. “A coloquialidade das letras se enquadra na coloquialidade das melodias”, explica o professor. “As melodias são fáceis de cantar, parecem narrativas. É uma música a serviço da narrativa.”

A assinatura musical de Adoniran chegaria ao teatro em 1959, com Nóis Dois Não Usa Breque Tai, samba-tema de Eles Não Usam Black-Tie, a obra-prima política de Gianfrancesco Guarnieri. O arrasa-quarteirão, contudo, ainda estaria por vir.

Foi em 1964 que surgiu Trem das Onze, responsável por tomar de assalto as rádios e trazer para São Paulo o primeiro lugar do carnaval carioca no Prêmio do Quarto Centenário da cidade, na gravação dos Demônios da Garoa. As décadas seguintes tratariam de elevar a composição a hino da capital paulista, ocupando o topo de listas de canções mais representativas da metrópole.

É só sexagenário que Adoniran grava seu primeiro LP. Reunindo seus sucessos, a obra surge em 1974, com apresentação do crítico literário e professor da então chamada Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL) da USP Antonio Candido, que defende a escrita do sambista. O segundo álbum viria em 1975 e o derradeiro, com a participação de diversos intérpretes comemorando seus 70 anos, chegaria em 1980.

Dois anos depois, em 1982, Adoniran morre, em 23 de novembro. À época, já havia sido gravado por nomes de presença da MPB: Beth Carvalho, Clara Nunes, Djavan e Elis Regina apenas encabeçam a lista. Nas quase quatro décadas seguintes vieram outras gravações, coletâneas e a consagração de Adoniran como patrimônio da cidade de São Paulo.

TOCA RAUL

O DIA EM QUE O RG DO CANTOR VEIO PARAR EM JUNDIAÍ

E LÁ SE VÃO 30 ANOS SEM O MALUCO BELEZA

Para Vilela, suas canções trazem uma mensagem que é tanto pessoal quanto social. “O Adoniran se coloca nas músicas como um cidadão pobre. Ele mora lá em Jaçanã, não em Higienópolis. A casa em que morava foi demolida. O tempo todo o discurso dele está virado para o lado dos pequenos. Ele era um homem simples e manteve a simplicidade mesmo nos momentos de sucesso.(Texto: jornal.usp.br publicado em 12 de abril de 2018, incluindo trecho da Wikipedia/ Foto: Bertolucci Jr., Hélio via Flickr )

Facebook Comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

CAPTCHA


  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Facebook Comments
  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Facebook Comments