IMG-20170717-WA0040Jundiaí viveu uma vida noturna agitada nos anos 80, uma época em que o maior equipamento tecnológico que possuíamos era o rádio de um carro, um tape da marca Roadstar com um amplificador Tojo acoplado. Este tape era de “gaveta” e podia ser retirado do veículo pra não ser furtado. Não havia shopping. O Teatro Polytheama estava em ruínas. Parques, só o da Uva. Como divertimento, só tínhamos os cinemas, os clubes e os bares da vida.

Era uma época impensável para os jovens de hoje. Não havia internet e celular, tecnologias indispensáveis agora. Mas usados sem equilíbrio, tira nossos maiores presentes: o tempo e a convivência harmoniosa e direta com as pessoas que nos são caras. Encontros eram marcados na casa dos felizardos que tinham telefone, coisa cara na época, ou pelos orelhões.

LEIA TAMBÉM:

O CARRO NÚMERO UM DE JUNDIAÍ

ZÉ CARIOCA ERA JUNDIAIENSE DA ‘GEMA’

O VALE DOS GARIBAS E O AMOR DE HÉLIO LUNARDI PELOS ANIMAIS

HISTORIADOR DIZ QUE SOLAR EXISTIA ANTES DE 1862

EM VÍDEO, UMA HOMENAGEM AOS IMIGRANTES ITALIANOS

Naquela época, nossa rede de relacionamentos era real, palpável, mais espontânea e direta. As crianças dos anos 1960 cresceram e com elas o desejo de liberdade e diversão e dessa demanda começou a surgir os barzinhos para suprir toda aquela vontade e energia que até então se restringia aos únicos cinemas que restaram, o Ipiranga e o Marabá e a alguns bailes em clubes .

O Zé do Papagaio ficava na Rua São Bento. O nome foi dado em homenagem a um bar dos anos 1950 com o mesmo nome e que ficava na esquina da Engenheiro Monlevade com a Senador. Depois vieram o MPBar, na Vila Arens; Pelicano´s e o Biri Nigth´s, perto do antigo Quartel.

O Neanderthal, montado pelos amigos Zé Carlos Manhe e Carlos Mariano ficava na Mansão dos Picchi, na Rua Barão de Teffé, Anhangabaú. O Neanderthal foi sucesso imediato. Na foto principal, acima, apresentação da Banda Transport com participação de Romão de Sousa e Marta. Abaixo, mais um pouco do bar Neanderthal…

BARES

BARES

BARES

O Chico´s Bar era na rua Major Sucupira e depois se mudou para o Clube Acre. O Carinhoso,  pequeno mas muito agitado por trazer cultura e diversão com Chorinho, karaokê, Samba e MPB, foi idealizado por Aníbal e Vânia. Na foto abaixo, de 1985, Valdir Dias, João Carlos e Donizetti, Do Sombra e Água Fresca, estão se apresentando no Carinhoso, que ficava na rua 11 de Junho esquina com a Rua do Rosário.

O Dobrão, na rua Carlos Gomes, tinha um ambiente lúdico com garçonetes com roupas de época, cadeiras antigas e manequins pendurados no teto. Esse barzinho foi criado e dirigido por Wilson De Fiori e João Augusto Júnior, tinha também um quiosque na avenida Jundiaí onde vendia sucos, porções inusitadas e a primeira casa que fez caipirinhas com outras frutas. Mais fotos destes lugares que deixaram saudades:

BARES

BARES

BARES

Os músicos da cidade se revezavam em suas apresentações nesses bares: Zambelli, Neguinho, Venâncio, Martinha, Sombra e Água Fresca, Fofão, Kid, Banda Transport, O Trio Betinho, Serginho e Vassoura e tantos outros que embalaram conversas, danças, namoros, abraços, sorrisos e muitos sonhos numa época bem diferente…

 

VEJA VÍDEOS

GRÁVIDAS NÃO PODEM TOMAR VACINA CONTRA O SARAMPO, DIZ GINECOLOGISTA LUCIANE WOOD

CORRETOR CAMPOS SALLES DÁ DICA PARA QUEM QUER SAIR DO ALUGUEL

PRECISANDO DE BOLSA DE ESTUDOS? O JUNDIAÍ AGORA VAI AJUDAR VOCÊ. É SÓ CLICAR AQUI

ACESSE O FACEBOOK DO JUNDIAÍ AGORA: NOTÍCIAS, DIVERSÃO E PROMOÇÕES