IMG-20170717-WA0040Os jundiaienses mais novos provavelmente nunca ouviram falar que a cidade teve um Carlitos, animador de inaugurações de lojas, presente em todas as festas importantes, desfiles e comemorações.  O comendador Milton Domingos, ou melhor, o nosso Charles Chaplin, até parece que escolheu o dia que iria morrer: 1º de abril de 2008, o Dia da Mentira.

Na época, o texto de Willian Vieira, publicado no obituário da Folha  de São Paulo alguns dias após o falecimento, explica bem quem foi o Carlitos jundiaiense. A começar pelo título já que não se sabe onde acabava o comendador e tinha início o personagem: Milton Domingos ou Carlitos, Charles Chaplin de Jundiaí. “A bengala, o chapéu, o bigode e os pés virados fizeram história na cidade onde nasceu Carlitos de Jundiaí. Seu enterro foi embalado pela própria banda, tocando “Luzes da Ribalta” – a primeira vez que fez alguém chorar.

Comendador tema de documentário – Em Jundiaí, ele ganhou vida sob a pele de um comendador, Milton Domingos, que passou os anos animando inaugurações de lojas e desfiles. Foi homenageado diversas vezes, apareceu em programas de famosos.  Fez cinema. Teve tanta importância que a Folha de São Paulo publicou um texto sobre a morte dele. Virou documentário (produzido pela Rede Paulista/abaixo). 

CARLITOS
Foto Alex Censi
CARLITOS
Foto Alex Censi

CARLITOS

CARLITOS

CARLITOS    CARLITO 5

CARLITOS

CARLITOS
Arquivo Miguel Melleiro Junior

Milton Domingos se mudou pequeno para São Paulo. Tinha 15 anos quando começou a ver filmes do ator Charles Chaplin passados na paróquia, após a missa. Virou assíduo. “Tinha flexibilidade nas pernas” e juntou a “veia de artista” com os pés virados para fora. Tornou-se atração na igreja, nas festinhas, e até na empresa onde consertava elevadores.

De volta a Jundiaí, lá pelos 20 anos, não parou de imitar. Tinha a roupa negra, o chapéu, a gravata e a bengala. Era só se caracterizar para agradar a uma cidade inteira. “Também trabalhou de verdade”, diz a viúva. Era bom vendedor na vinícola, onde se aposentou. Fez até propaganda na TV sobre vinagre.

Já em 1967 era celebridade local, ao vencer o concurso de Melhor Imitador do Brasil, feito por Silvio Santos(foto abaixo). Desde então passou a animar de festa a jogos de futebol. Como Carlitos, se apresentou no teatro e no cinema – encenou “O Ébrio” e gravou “Crepúsculo do Ódio”. E fez até ponta em novela, com a Banda do Carlitos, criada por ele para animar festas.

CARLITOS

CARLITOS
Foto Juliano Saad

CARLITOS

Fim do Carlitos – Domingos tinha três filhos e dois netos. Quando fez 60 anos de carreira, em janeiro, ganhou uma mostra na biblioteca. Não foi ver. Morreu no dia 1º, aos 75, de câncer”, informou a Folha de São Paulo no dia 8 de abril de 2008.

Na sessão de entrega de título honoríficos pela Câmara, no final daquele mesmo ano, Milton recebeu uma homenagem póstuma. No ano anterior ele tinha recebido a Ordem do Mérito Municipal. Aliás, ele foi um dos cidadãos de Jundiaí que mais recebeu homenagens do Legislativo. Foi agraciado com a Ordem do Mérito Conde do Parnaíba, em 1981, e com a medalha Petronilha Antunes, em 2001.

CARLITOS

VEJA MAIS ‘JUNDIAÍ DE ANTIGAMENTE’ 

UMA VIAGEM NO TEMPO, DE ÔNIBUS, POR UMA JUNDIAÍ QUE NÃO EXISTE MAIS

SUSTO, O SHERLOCK HOLMES DA PRAÇA PEDRO DE TOLEDO

AS NOITES DE JUNDIAÍ NOS ANOS 80, PELOS BARES DA VIDA

O CARRO NÚMERO UM DE JUNDIAÍ

ZÉ CARIOCA ERA JUNDIAIENSE DA ‘GEMA’

O VALE DOS GARIBAS E O AMOR DE HÉLIO LUNARDI PELOS ANIMAIS

HISTORIADOR DIZ QUE SOLAR EXISTIA ANTES DE 1862

EM VÍDEO, UMA HOMENAGEM AOS IMIGRANTES ITALIANOS

BOLÃO, AOS 64 ANOS, CONTINUA SENDO UM CARTÃO POSTAL DE JUNDIAÍ

A PAULICÉA VIVE NO IMAGINÁRIO DOS JUNDIAIENSES COM MAIS DE 40 ANOS

DE CAPELA ATÉ CATEDRAL, BEM NO CENTRO DA CIDADE

O ITALIANO QUE INVENTOU O SABOR DE JUNDIAÍ, A TURBAÍNA

ARGOS DO TRABALHO DURO, SUCESSO, RESPEITO AOS FUNCIONÁRIOS E FALÊNCIA

DOM GABRIEL, QUASE BEATO, FOI O PRIMEIRO BISPO DE JUNDIAÍ

A PONTE TORTA, QUE FOI DOS BONDES, É VÍTIMA DOS POMBOS E VÂNDALOS

QUEM FALTA FAZ O EX-PREFEITO E PROFESSOR PEDRO FÁVARO

DOCE LEMBRANÇA DE UM PRIMEIRO DE ABRIL COM MEUS AVÓS

EM 1975 COMEÇAVA A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA NOVE DE JULHO

IMG-20170717-WA0040

NOS ANOS 1970, JUNDIAÍ COMEÇA A GANHAR SUPERMERCADOS

A PRAÇA DA BANDEIRA, NO CENTRO, VIROU TERMINAL DE ÔNIBUS

IPIRANGA E MARABÁ DAVAM GLAMOUR AO CENTRO DA CIDADE

HÁ MUITOS ANOS, OS CARNAVAIS DE JUNDIAÍ ERAM ASSIM…

A HISTÓRIA DE UM ITALIANO PASSA POR DOIS BAIRROS DE JUNDIAÍ

QUEM NÃO SE LEMBRA DO TRENZINHO DO PARQUE DA UVA?

VOCÊ SABIA QUE O LARGO SÃO JOSÉ TEVE UM BEBEDOURO?

O CÃO FERROVIÁRIO

A COISA PÚBLICA PARA UM CIDADÃO DA DÉCADA DE 1960

REGIÃO DA PRAÇA DA BANDEIRA ERA ASSIM

HOTEL DE LUIGI PETRONI FICAVA NA RUA BARÃO

VEJA COMO A PRAÇA DA BANDEIRA ERA NO FINAL DOS ANOS 1940

QUEM TINHA MEDO DA MARIA DOS PACOTES?

A CICA MARCOU A VIDA DE VÁRIAS GERAÇÕES

VEJA TAMBÉM

O FACE DO JA. É MUITO LEGAL!!!