CAROLINA acredita na reinvenção do ser humano após coronavírus

CAROLINA

A reinvenção do ser humano é algo capaz de ser conseguido, depois do coronavírus, para Carolina Alves da Costa, de 16 anos. Estudante do 2º ano do Ensino Médio, ela se sente abençoada de viver num ambiente saudável durante a pandemia. Este momento, para ela, mostra que as pessoas conseguem “arrumar outro jeito para fazer a mesma coisa”. Confira a entrevista com a adolescente:

Como era sua vida antes da pandemia?

Costumava ir à escola de manhã, dependendo do dia ia para a casa de alguma amiga ou voltava para a minha. Chegando em casa eu completava as atividades estudantis e gastava o resto do meu tempo com o lazer.

E os finais de semana?

De sábado eu tinha aula de piano na manhã e à tarde ia para a Igreja. Nos domingos eu ficava com a família, visitava parentes ou saía com amigos.

Você reclamava de ir à escola? Hoje sente falta?

Reclamava, sim, por conta dos horários, mas hoje estou sentindo falta. Nunca passou pela minha cabeça que algum dia eu iria passar por esse momento de distanciamento social prolongado.

Como é a sua rotina com tudo isto que está acontecendo?

Acordo cedo para comparecer às aulas online, continuo tendo aulas de piano, também online. Continuo dedicando tempo ao aprendizado de idiomas e venho me inscrevendo em várias semanas online de cursos e assuntos do meu interesse. Também reservando alguns momentos do meu dia para assistir TV e livremente mexer nas redes sociais.

Você fica triste com o isolamento social?

A falta de contato humano e a proximidade, ficar longe das pessoas que eu costumava ver todo dia na escola não é fácil e venho sentido falta delas no meu dia a dia. Sinto também saudade dos meus familiares e das festas.

Em algum momento sentiu revolta?

Não. Sou muito grata de estar em um lugar seguro e estar saudável, enquanto tem tantas pessoas que passam por alguma necessidade e estão precisando de muita ajuda no momento. Moro em um lugar confortável e todos os membros da minha família estão saudáveis, isso me deixa mais tranquila.

O distanciamento ensina?

Sim. Que o ser humano tem muitas maneiras de se reinventar, arranjar novos jeitos de fazer as coisas, em uma situação diferente. Também estou aprendendo a me organizar melhor, já que aulas online e tempo demais em casa requerem uma organização maior para não deixar as coisas acumularem e evitar a procrastinação.

Muita gente acredita que o coronavírus veio para mudar a humanidade. Você acredita nisto?

Todos os momentos difíceis servem para a nossa evolução. Claro que ninguém queria estar vivendo nessa situação triste com tantas pessoas perdendo suas vidas, mas sempre é possível se reinventar através de uma dificuldade, e olhar para um outro lado. Talvez no final disso tudo as pessoas começem a cuidar mais da higiene e tomar mais cuidado em situações sociais.

Como você pretende contar para seus filhos esta fase da sua vida, um tempo em que o mundo parou por causa de um vírus?

Relatar isso como um momento momento difícil que o mundo enfrentou, com muitas mortes e necessidades, onde teve que ser criado novas formas e meios de viver, com condutas diferentes. Um momento quando pensar no próximo foi além de pensar em si mesmo, e onde tivemos de ter o discernimento de que se isolar socialmente e se portar com mais responsabilidade ajudaria a nós mesmos e ao próximo. E onde mesmo com a conscientização tiveram pessoas saindo e descumprindo algumas das regras propostas à sociedade.

VEJA TAMBÉM

A IMPORTÂNCIA DO CARTÃO DE VACINAÇÃO PARA AS GESTANTES. VEJA VÍDEO COM A MÉDICA LUCIANE WOOD

OS 103 ANOS DA ESCOLA PROFESSOR LUIZ ROSA

NA FISK DA RUA DO RETIRO TEM CURSO DE LOGÍSTICA

ACESSE O FACEBOOK DO JUNDIAÍ AGORA: NOTÍCIAS, DIVERSÃO E PROMOÇÕES

PRECISANDO DE BOLSA DE ESTUDOS? O JUNDIAÍ AGORA VAI AJUDAR VOCÊ. É SÓ CLICAR AQUI