1º de janeiro. Dia de começar tudo de novo. Mas é sempre bom olhar o passado e relembrar. Assim, se vê com ênfase os erros para não cometê-los mais. E olha-se os êxitos na esperança de acertar novamente. Então, hoje vamos fazer um passeio por Jundiaí dos últimos cinquenta anos em doze fotografias. Como dizem, recordar é viver…

1969

Pode acreditar: o trevo da avenida Jundiaí era um cartão postal da cidade naquele ano. No lago se nadava e pescava. Arquivo Lucimara Leite Godoy

No final da década de 1960, Jundiaí e seu evento mais tradicional mostravam que tinham prestígio. O ministro da Agricultura do Governo Médici, Luiz Fernando Cirne Lima esteve na Festa da Uva. O prefeito era Walmor Barbosa Martins. O secretário de Agricultura, Fortunato Garcia Braga.

Pode acreditar 2: esta é a rua Coronel Leme da Fonseca, altura da Praça da Bandeira. Olha a tranquilidade. Sem trânsito. Sem pedestres.

1979

Dez anos depois, a Praça da Bandeira e a Estação Rodoviária. Na época(aliás, até sua transferência para a avenida Nove de Julho), a estação era criticada. Os jundiaienses não se conformavam com as instalações. A cidade merecia mais. Quando a nova estação rodoviária foi construída, a antiga passou a ser lembrada com saudade. Vai entender…

A Feira da Amizade era um sucesso. Dentro e fora dos galpões da Festa da Uva. Fora, a Casa de Bonecas era a alegria da criançada. Foto José Macan

A Estrada de Itatiba (Via Constâncio Cintra), no Jundiaí-Mirim, em outubro daquele ano. Tempos de acidentes medonhos. Tanto que a via era conhecida como ‘Estrada da Morte’. O perigo era tanto que policiais rodoviários faziam a travessia de estudantes. Não havia passarela. Reparem, ao fundo, as torres da Paróquia Nossa Senhora do Carmo…

1989

Em Julho de 1989, as obras do restaurante Wiener estão a todo vapor. Este estabelecimento fica na rua João Batista Figueiredo, travessa da avenida Nove de Julho.

Já a Argos(esquina da avenida Dr. Cavalcanti com rua José do Patrocínio), na vila Arens, vivia a decadência total. Um ano depois, na administração de Walmor Barbosa Martins, o prédio foi desapropriado pela Prefeitura. Pouco depois viriam o tombamento histórico.

Os jundiaienses tanto sonharam e no finalzinho da década de 1980 viram o início da construção do Maxi Shopping.

1999

Avenida Antônio Frederico Ozanan: a Fleishmann & Royal(depois Kraft Foods) inaugura uma nova portaria. Era uma das grandes empresas que Jundiaí viu crescer e fechar as portas…

Em 1999, Jundiaí perdeu a locomotiva do Parque da Uva. Totalmente abandonada, a máquina foi levada para Londrina. Lá passou por restauração e está bonita como merece.

2009

No dia 5 de janeiro de 2009 morria Carlota Edith Barbieri, a Maria dos Pacotes. Foto Zé Forner

MAIS JUNDIAÍ DE ANTIGAMENTE

O NATAL DEIXAVA TUDO MAIS BONITO NA CIDADE QUE NÃO EXISTE MAIS

EM 1975 COMEÇAVA A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA NOVE DE JULHO

NOS ANOS 1970, JUNDIAÍ COMEÇA A GANHAR SUPERMERCADOS

A PRAÇA DA BANDEIRA, NO CENTRO, VIROU TERMINAL DE ÔNIBUS

IPIRANGA E MARABÁ DAVAM GLAMOUR AO CENTRO DA CIDADE

HÁ MUITOS ANOS, OS CARNAVAIS DE JUNDIAÍ ERAM ASSIM…

A HISTÓRIA DE UM ITALIANO PASSA POR DOIS BAIRROS DE JUNDIAÍ

QUEM NÃO SE LEMBRA DO TRENZINHO DO PARQUE DA UVA?

VOCÊ SABIA QUE O LARGO SÃO JOSÉ TEVE UM BEBEDOURO?

O CÃO FERROVIÁRIO

A COISA PÚBLICA PARA UM CIDADÃO DA DÉCADA DE 1960

REGIÃO DA PRAÇA DA BANDEIRA ERA ASSIM

HOTEL DE LUIGI PETRONI FICAVA NA RUA BARÃO

VEJA COMO A PRAÇA DA BANDEIRA ERA NO FINAL DOS ANOS 1940

QUEM TINHA MEDO DA MARIA DOS PACOTES?

A CICA MARCOU A VIDA DE VÁRIAS GERAÇÕES

DICA

ACESSE O FACEBOOK DO JUNDIAÍ AGORA