IMG-20170717-WA0040O fechamento de dois comércios tradicionalíssimos do centro de Jundiaí – o Credi-Nino e a Papelaria Santa Teresinha – causou comoção. Isto prova que a vida das pessoas está intimamente ligada com alguns estabelecimentos. É a tal fidelidade que faz o coração doer quando uma loja baixa as portas para sempre, mesmo que a relação fosse meramente comercial. É por isto que muitas lojas e muitos comerciantes de Jundiaí ainda são lembrados com carinho. Eles fazem parte da história da cidade: Casa do Bolinha, na Rua Barão; o DIC, na Praça da Bandeira; Ao Barulho de Jundiaí, Lojas Magalhães, Casa Carlos Gomes, Credi Curadinho, Loja Casa Vermelha de Roupas e Armarinhos, na rua do Rosário; Galeria Bocchino, Casa São João, Mercadão Municipal, Casa Independência(nos anos 1940), Casa Oliveira, Loja Jafar.

A Casa Brasília, da família Yarid, é uma das mais antigas ainda em funcionamento. Atende no mesmo local, na rua Torres Neves, desde 1936. Loja Rosa de Maio, na Rua São José, Armazém dos Bocchino, na Rua Barão de Jundiaí, Barbi, Vencedora, dentre tantas outros que ainda nos enche de saudades e orgulho por terem ajudado também a Jundiaí ser grande.

Muita saudade dessas lojas antigas, de seus donos e vendedores. E da época quando havia todo um romantismo em volta de uma compra e venda, a urbanidade, olhos nos olhos, a confiança mútua e prazer, num relacionamento de amizade, carinho e muito respeito

LOJA

LEMBRADOS

 

LEMBRADOS      LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOSLEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS    LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

LEMBRADOS

As fotos, na sequência, de cima pra baixo:

O DIC, na Praça da Bandeira, em 1986. (foto principal)

Casa Carlos Gomes, nos anos 1980.

Casa do Bolinha, na rua Barão de Jundiaí em 1985.

Ao Barulho de Jundiaí, em 1994.

Lojas Magalhães, nos anos 1980.

Loja Nova, nos anos 1950.

Casa Vermelha de Roupas e Armarinhos, na rua do Rosário em 1910.

Galeria Bocchino, recém-construída, em 1956.

Casa São João, em 1956.

Mercadão Municipal, em 1956 (hoje, Centro das Artes).

Casa Independência, nos anos 1940.

Casa Oliveira, nos anos 1930.

Loja Jafar.

Casa Brasília, dos Yarid.

Loja Rosa de Maio, na Rua São José.

Casa Oliveira, no Natal de 1980.

Armazém dos Bocchino, na Rua Barão nos anos 1930.

Tolmino Fabrício e esposa, o fundador do Credi Nino

O Rei das Roupas Feitas

Benjamim Herman, proprietário do ‘Rei’


VEJA TAMBÉM:

HÁ 85 ANOS, JUNDIAÍ MERGULHAVA NA REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA

O PEQUENO GRANDE PROFESSOR BIELA

O VIADUTO DA PONTE SÃO JOÃO E A HISTÓRIA QUE NÃO ESTÁ NOS LIVROS

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS TEMPOS EM QUE O MUNDO ERA DAS CRIANÇAS

A PAIXÃO SOBRE DUAS RODAS TAMBÉM EM JUNDIAÍ

A HISTÓRIA E GRANDEZA DO SOLAR DO BARÃO DE JUNDIAÍ

EM VÍDEO, UMA HOMENAGEM AOS IMIGRANTES ITALIANOS

BOLÃO, AOS 64 ANOS, CONTINUA SENDO UM CARTÃO POSTAL DE JUNDIAÍ

A PAULICÉA VIVE NO IMAGINÁRIO DOS JUNDIAIENSES COM MAIS DE 40 ANOS

DE CAPELA ATÉ CATEDRAL, BEM NO CENTRO DA CIDADE

O ITALIANO QUE INVENTOU O SABOR DE JUNDIAÍ, A TURBAÍNA

ARGOS DO TRABALHO DURO, SUCESSO, RESPEITO AOS FUNCIONÁRIOS E FALÊNCIA

A PONTE TORTA, QUE FOI DOS BONDES, É VÍTIMA DOS POMBOS E VÂNDALOS

EM 1975 COMEÇAVA A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA NOVE DE JULHO


NÃO DEIXE DE ACESSAR O FACEBOOK DO JUNDIAÍ AGORA

VÍDEO: VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES CHEGA AOS CONSULTÓRIOS MÉDICOS

VOCÊ SABE POR QUE A VACINA CONTRA A GRIPE É IMPORTANTE? A TRIVACIN PREMIUM EXPLICA EM VÍDEO

SE VOCÊ QUER BOLSA DE ESTUDO CLIQUE AQUI