19, fevereiro , 2019
Home Jundiaí e Região ELIANE, entre ‘stars’, não voltaria ao Brasil nem se fosse paga em...

ELIANE, entre ‘stars’, não voltaria ao Brasil nem se fosse paga em ouro

Os mais antigos que acompanhavam as rádios de Jundiaí certamente vão se lembrar deste nome: Eliane Brick, filha de um militar que deixou saudades, o sargento Eloi Alves Cruz, que morreu com o título de capitão da Companhia de Comunicação, o quartel velho, na rua do Rosário. A voz de Eliane foi sucesso por aqui nos anos 1980(para matar saudade, veja o vídeo abaixo). Hoje, Eliana mora em Massachusetts, nos Estados Unidos. É correspondente do Brazilian Times. Também trabalha com patient observer at ER, ou observadora de pacientes com doenças mentais na Emergência de dois hospitais. Ainda dá tempo de Eliane Brick ser Police Matron (observadora de prisioneira feminina na cadeia) e nas horas vagas é figurante em filmes americanos onde conheceu várias celebridades de Hollywood. Ela está entre as ‘stars’. Aportuguesando: as estrelas do cinema(foto acima com o ator Mel Gibson). O Jundiaí Agora entrevistou a radialista que é veemente: não voltaria ao Brasil nem se fosse paga em ouro:

Você nasceu em Jundiaí?

Não. Minha família mudou para Jundiaí quando eu tinha dois anos.

Você é casada?

Sim. Com Michael Brick, há 23 anos, que é americano.  Temos uma filha de 22, a Rebekka.

Onde morou e estudou em Jundiaí?

Morei na rua Riachulo, na vila Arens e na Waldomiro Lobo da Costa. Estudei em várias escolas: Paulo Mendes Silva, Geva, Siqueira de Moraes e finalizei no Anchieta, trabalhando como professora. Depois fiz curso de radialista no no Senac em Campinas onde recebi certificado do Ministério do Trabalho. Daí fui trabalhar como jornalista numa rádio da cidade.

Detalhe sua vida profissional por aqui…

Meu primeiro trabalho em Jundiaí foi aos 16 anos no departamento de Marketing da Vigorelli. Fiz parte da produção de TV do time que recebeu Bruna Lombardi em Jundiaí para filmagens. Aos 17 anos fui para Sifco. Ali trabalhei como recepcionista da portaria da avenida Sao Paulo, 361. Foi neste emprego, recebendo pessoas de todo país, que minha curiosidade despertou. Surgiu a vontade de morar fora do Brasil porque eu tinha que falar um pouco de inglês e espanhol. Eu me formei professora e fiz estágios no APAE de Jundiaí e outras escolas. Tive experiencias negativas com o sistema educacional. A falta de profissionalismo de algumas pessoas me fez desistir da carreira.

Numa visita a Jundiaí, entrevistada Reinaldo Basile.

Fui contratada como repórter de uma rádio. Tive a honra de ser entrevistada pelo saudoso Hélio Luiz Lorencini. Ele me deu esta oportunidade. Foram anos inesquecíveis. No inicio houve pressão de alguns repórteres já que eu não tinha o registro de radialista. Eles se achavam no direito de  me chamar – pelas costas – de ‘repórter mala’. Fui difamada. Porém, fui à luta e recebi meu diploma de radialista,  me tornei voluntária da Produção da Rede Bandeirantes e levei muitas pessoas de Jundiaí para serem entrevistadas no programa de TV do saudoso Flávio Gikovate. Entrevistei muitos artistas que vinha a Jundiaí para shows como Luiz Ayrão, Jerry Adriani, Antônio Marcos, Leandro e Leonardo, além de políticos, e celebridades. O jornalismo acabou ficando pequeno para mim. Tive meu programa musical, o Exporta Som. O último, de sucesso, foi o Programa Vida. Através de meus trabalhos de radialista, repórter, apresentadora de programa de Radio conheci pessoas influentes nos Estados Unidos como o senador Tim Phillpot e esposa, do Kentucky, e outras pessoas que me incentivaram a partir para uma visita de intercâmbio.


A radialista de Jundiaí que vive aparecendo nos filmes de Hollywood

Bem pertinho de Dwayne Douglas Johnson, the Rock…
A mesma cena

 

Pontinha no filme Ted, animação bem apimentada…
No filme ‘O Impostor’. Christopher Plummer estava na mesma cena

Sente falta de algo?

Somente de amigos, família, comida dos restaurantes locais, festa junina com bastante quentão e pipoca.

E o que menos sente falta de Jundiaí?

O transito na área central e fora do controle quase fui atropelada com minha filha na avenida Nove de Julho, numa de nossas visitas, há cinco anos.

Como foi a decisão de ir para o exterior?

Não decidi da noite para o dia. Foi um processo lento de um ano depois que conheci um casal de americanos missionários, durante uma convenção do Rio de Janeiro. O senador Tim Philpott e a esposa me convidaram para um intercâmbio em Miami. Foram cinco meses. morei em Pompano Beach, Kendal e Miami Beach sempre em casas de família. Voltei para o Brasil antes do vencimento do meu visto. Fiz as malas e me despedi de todos. Trabalhei numa rádio mais três meses e vim para Boston em 1996, onde moro até hoje.

E depois?

No meu primeiro mês morando em Boston conheci a família Paiva, dona do maior jornal brasileiro nos Estados Unidos, o USA Brazilian Times News Paper. Sou correspondente deles até hoje. Também morei em Somerville e Maynard.

Quais as diferenças que mais afetaram você?

O que mais me impactou na minha chegada foi o respeito humano com mulheres, idosos, crianças, animais e a forma preventiva de cuidar da saúde dos americanos. Isto é uma coisa que emociona até hoje. Os Estados Unidos é um país de oportunidades para quem respeita os direitos e deveres. Para quem fala inglês fluente se tem tudo nas mãos. Os americanos não são idiotas como a maioria dos imigrantes que estão aqui pensam. Principalmente aqueles que garimpam dólares de forma ilegal, dirigindo sem carteira de motorista. Acham que ninguém sabe. Mas o sistema americano é estratégico e eficiente. Eles sabem tudo o que está acontecendo. Para se descobrir fraudes é só questão de tempo…

Em algum momento pensou em voltar?

Nunca pensei que não me adaptaria aos Estados Unidos. Eu estava preparada e nunca pensei em voltar para o Brasil. Nem que me paguem em ouro! Se eu tiver que mudar daqui por um grande motivo, como uma guerra, minha primeira opção é o Canadá. Depois, o Alasca. Se um dia voltar para Jundiaí será apenas para visita. Bem rápida. Não volto para o Brasil em nenhuma circunstância.

Além de jornalista e policial, também faz pontas em filme?

Sim! Quem quiser conferir pode me ver no www.imdb.me/elianebrick. Trabalhei em 12 filmes, três comerciais e três séries da Netflix!

Os brasileiros são, ou não, respeitados?

Brasileiro que não fala inglês e faz permanentemente trabalhos comunitários acabam ‘estacionando’ e ficam frustrados. Já os que falam a língua do país fluentemente conquistam uma boa qualidade de vida. Trabalhar e não falar inglês causa falta de credibilidade e respeito. É a mesma coisa que ter um americano em Jundiaí, trabalhando como motorista de táxi, que não sabe falar o nosso idioma. Imagina a situação!

Como você lida com sua brasilidade?

Nasci no Brasil mas meu DNA é de origem italiana. Não me considero 100% brasileira mas jamais senti vergonha de ter nascido no Brasil. Tenho orgulho de ser o que sou independentemente da minha origem porque minha formação educacional direcionada pelos meus pais foi aberta e ate por isso não me consegui me adaptar no Brasil(na foto acima com a cantora Maria Alcinda)

Dá para comparar a cidade onde mora e Jundiaí?

Aqui é bem o tipo de Jundiaí. A diferença é que aqui sou amiga do prefeito, trabalho com a Policia local, os políticos aqui são autênticos, aqui não tem mendigos, os animais como cachorros e gatos tem cuidados especiais em shelters. Não tem nada que eu não goste da minha atual cidade. Ela é linda. Fica a meia hora de Boston, quatro horas do Canadá. Neva bastante no inverno. Mas tudo funciona.

Um dia seremos como os ‘gringos’?

Tudo e possível. Pelos últimos acontecimentos acho que há possibilidade em surgirem melhoras. Os governos passados perderam moral e controle financeiro. O povo hoje paga um preço alto por tudo. Mas, o brasileiro é um povo unido tralhador que pode ajudar a melhorar.

O que Jundiaí poderia ‘importar’ do seu atual endereço?

E uma pergunta interessante porque alguns anos atrás fiz contatos com pessoas da Câmara Jundiaí. A ideia era transformar Jundiaí cidade-irmã do local onde vivo. Não deu certo por falta de comunicação e tempo…

MAIS JUNDIAIENSES PELO MUNDO

 

NOS ESTADOS UNIDOS, WILNA TEM ORGULHO DE DIZER QUE É BRASILEIRA

 

GUIRAO, DO BAIRRO SANTA GERTRUDES, SE ELEGEU VEREADOR EM UMUARAMA

 

PARA DANILO, O BRASIL NÃO DEVE QUER SER PARECIDO COM OS EUA

 

KÁTIA ESTÁ DEIXANDO AS AMERICANAS MAIS BONITAS

 

COMO UM BANDEIRANTE, EUCLIDES DESBRAVOU NIQUELÂNDIA(GO)

 

PARA RAFAELA, JUNDIAÍ AGORA É UMA CIDADE PARA OS FINAIS DE SEMANA

 

O DESEMPREGO LEVOU CAROLINA E O MARIDO PARA A IRLANDA

 

RENATA RECARREGA AS BATERIAS AO VIR DA ITÁLIA PARA O BRASIL

 

A PEDAGOGA GISELE ESTRANHOU A NOVA VIDA EM SANTOS

 

URU É MENOR DO QUE MUITOS BAIRROS DE JUNDIAÍ. E MARIA NÃO A TROCA POR NADA

 

NO JAPÃO, MURATA TEM VERGONHA DOS ESCÂNDALOS POLÍTICOS DO BRASIL

 

SANDRA NA ALEMANHA: PREFIRO O FRIO, A SEGURANÇA, A EDUCAÇÃO E O RESPEITO

 

AS SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE O BRASIL E O MÉXICO, SEGUNDO CRISTIANE

 

NO RIO, EX-JUIZ VAI PARA O SEGUNDO TURNO

 

CANSADA DA VIOLÊNCIA E CORRUPÇÃO, ANA PAULA FOI PARA A AUSTRÁLIA

 

EX-SECRETÁRIA DE DILMA ESTÁ FORA DAS ELEIÇÕES DESTE ANO

 

DA ITÁLIA, FABIOLA NÃO VÊ ELEITOR BRASILEIRO CONSCIENTE

 

A DOUTORA QUE É TERRÍVEL CONTRA OS INSETOS

 

GENIVAL, O GUERREIRO JUNDIAIENSE QUE LUTA PELO TIO SAM

 

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.