Os deputados de Jundiaí: a história de ELOY CHAVES

Em clima de eleições, o Jundiaí de Antigamente vai relembrar a trajetória dos políticos de Jundiaí que se elegeram deputado, tanto federal como estadual. Começando por Eloy de Miranda Chaves, tido como o “Pai da Previdência Social”. O bairro, que hoje mais parece uma cidade, recebeu o nome Eloy Chaves em sua homenagem (abaixo, em 1986).

O político nasceu em Pindamonhangaba, interior de São Paulo, no dia 27 de dezembro de 1875. Formou-se em Direito em 1896 pela Faculdade do Largo São Francisco. Aos 20 anos já era promotor público em São Roque. De lá veio para Jundiaí, onde advogou, fundou o Colégio Santo Antônio e iniciou sua carreira política, elegendo-se vereador.

Foi eleito deputado federal pelo Partido Republicano Paulista (PRP) e também ocupou cargos relevantes como o de presidente da Comissão de Marinha de Guerra. De 1913 a 1918 foi Secretário de Estado dos Negócios da Justiça e Segurança Pública, nos governos do Conselheiro Rodrigues Alves e de Altino Arantes. Eloy Chaves ganhou fama quando propôs uma lei precursora da Previdência Social.

Empresário – Em 1902, com José Teles, Edgar de Sousa e Aguiar de Andrade organizou a Empresa Elétrica de Jundiaí, mais tarde, em 1927, transferida para a “Light”. Antes disso, em 1910, fundo a S.A. Industrial Jundiaiense, tecelagem tida como uma das maiores do Estado.

 

 

 

Em 1956: Inauguração da Agência do Banco Federal de Crédito em Jundiaí. Eloy Chaves era membro do conselho consultivo do banco. Alfredo Egydio de Souza Aranha(presidente do banco) e o prefeito Vasco Venchiarutti. Este banco foi integrado ao Itaú. 

 

 

 

Em maio de 1912, adquiriu a Central Elétrica Rio Claro, que de pequena empresa com apenas uma usina transformou-se na maior companhia de eletricidade de capital nacional. Ainda neste ano, juntamente com o empresário português Antônio Cintra Gordinho e o engenheiro alemão Hermman Braune, fundou a Cia. Ermida de Papel e Celulose, em Jundiaí.

Eloy Chaves foi também agricultor e pecuarista. Foi um dos grandes incentivadores da indústria de cerâmica em São Paulo, como fundador da Cia. Cerâmica Jundiaiense (ao lado). Também fundou e foi o principal acionista do Banco Comind, maior instituição financeira privada do país na primeira metade do passado e maior operador brasileiro no comércio internacional de café.

Chaves foi um dos maiores produtores de café brasileiros, manteve algumas das maiores fazendas do mundo destacando-se a Fazenda Ermida, em Jundiaí. Além do café, eram notórias as vastas regiões de plantio de eucalipto, cana de açúcar e laranja, no interior do Estado. Ele morreu no dia 18 de abril de 1964. (Texto com base da Wikipedia).

VEJA TAMBÉM

QUASE 100 ANOS DE FOTOS CONTAM A HISTÓRIA DA RUA DA PADROEIRA

MARIA DOS PACOTES ESTÁ NO IMAGINÁRIO DOS JUNDIAIENSES

RELEMBRE A ANTIGA CICA, INDÚSTRIA QUE MARCOU ÉPOCA EM JUNDIAÍ

VOCÊ SABIA QUE A PRAÇA DA CATEDRAL TINHA UM CHAFARIZ LUMINOSO?