26, março , 2019
Home Jundiaí e Região ESTELAMARIS: ‘A imigração é o tendão de Aquiles da Europa’

ESTELAMARIS: ‘A imigração é o tendão de Aquiles da Europa’

ESTELAMARIS
Estelamaris Stella, 47 anos, nasceu em Várzea Paulista. Mas se considera jundiaiense já que se mudou para a cidade vizinha muito pequena. Viveu no bairro do Agapeama e ganhou o mundo. Tornou-se uma bailarina de sucesso. Mora na Espanha e sente, vez por outra, um certo ar preconceituoso por parte dos nativos. Daí vem aquela pergunta: ‘e vocês e tantos outros povos europeus, que imigraram para o restante do mundo?’. A entrevista com Estelamaris:
Você é casada? Tem filhos?
Sim. Sou casada com um espanhol. Tenho dois filhos. São gêmeos. Eles nasceram em Málaga, no sul da Espanha.
Como foi sua vida em Jundiaí?
Com muito orgulho digo que estudei no Sesi e o colegial fiz no Ana Paes. Também cursei a faculdade de Administração de Empresas. Fui bancária na área de câmbio e de aí ofereceram-me trabalho na WCA Assessoria em Comércio Exterior como assistente de importação. Mas o meu sonho sempre foi a dança. Comecei a dançar aos oito anos e mesmo com a pressão familiar e de escutar que um artista em Jundiaí literalmente morre de fome, aos 26 anos deixei tudo que estava fazendo e decidi mudar de rumo completamente. Fiz um casting (teste) para um espetáculo no Japão e me chamaram. Lá trabalhei durante uma temporada de seis meses e de volta ao Brasil fui admitida no corpo de baile do cantor Daniel. Estive um ano e meio em turnê por todo Brasil, trabalho bom mas bastante duro porque vive-se de hotel em hotel. Em seguida, o exterior me chama mais uma vez: uma temporada na China. Também me apresentei em um cassino em Portugal. Dali dei um salto para a Espanha onde conheci meu marido, em 2002.
Sua família continua morando em Jundiaí
Tenho minha família em Jundiaí e uma vez ao ano costumo fazer uma visita. Faz bastante tempo que vivo fora e digo que mais sinto falta é da família e amigos de toda vida, principalmente agora que sou mãe. Com os anos cada vez sinto mais isso.
Não sente falta de algo?
De Jundiaí e no Brasil, de forma geral, da insegurança. Em Jundiaí tenho medo de sair quando é noite, será paranoia de quem vê as notícias no exterior. Ou não…
Depois de conhecer meu marido em Málaga, por exigência do trabalho dele estivemos morando em Guadalajara, perto de Madri. Em 2014 mudamos para as Ilhas Canárias, lugar onde vivemos até hoje.
Você passou por vários países. Como foi a adaptação?
Pela experiência que tive, digo que viver bem num lugar depende da predisposição que cada pessoa tem do que na sua capacidade de adaptação. Algumas vezes notei que não me tratavam como eu gostaria. Ao mesmo tempo, sentia que estava ganhando meu espaço.  Mudar de lugar constantemente pode causar angústia por ter que estar provando a cada momento quem você é e quais são as suas intenções. Ninguém conhece sua história.
O brasileiro é bem tratado?
O fato de ser brasileira às vezes causa surpresa por toda boa imagem que o Brasil tem com seu calor, praias, garotas de Ipanema. E eu penso: Jundiaí é uma cidade basicamente de trabalhadores e muita indústria? E eu faço cara de afortunada. Na cidade atual onde vivo (Las Palmas de Gran Canaria, Espanha) em geral noto que existe preconceito em relação às pessoas de origem sul-americana, africana ou asiática. O curioso é lembrar quantos dos nativos daqui tiveram que imigrar nos séculos passados porque morriam de fome? E quantos portugueses, italianos, espanhóis, japoneses imigraram a Jundiaí? Eu fico quieta e não discuto. No fundo a questão da imigração é o grande Tendão de Aquiles da Europa.
Faz comparações?
Não gosto de fazer comparações entre onde vivo e minha cidade natal. O que percebo é que em Jundiaí e no restante do país as pessoas vivem em guetos. Há muita vida comercial, cada vez mais em grandes superfícies. Há muitos condomínios onde as pessoas vivem alheias à realidade, fazendo suas festas e podendo passear sem medo com o cachorro.
Você fala que é de Jundiaí?
É curioso que sempre digo que sou de São Paulo. Imagino que, para eles, Jundiaí não é conhecida e ao mesmo tempo está tao perto de São Paulo. Mas outro dia uma mãe do colégio das minhas crianças insistiu em saber o nome da minha cidade. Por uma destas grandes coincidências da vida, o pai e o tio dela imigraram para Jundiaí há muitos anos. O pai voltou mas o irmão dele formou família na terrinha. De fato, ela já foi muitas vezes visitar a família.
Está feliz aí?
Em geral, estou bastante satisfeita com o lugar onde vivo. O clima é ameno durante todo o ano, as pessoas são bastante amáveis e, o mais importante para mim, é que existe muita oferta de espetáculos de teatro, música e dança. Também existem muitas academias de dança, eu acabo de retomar as aulas com um maestro maravilhoso, ex-bailarino do Ballet Nacional de Espanha, e pretendo pouco a pouco voltar a dar aulas como fazia quando era jovenzinha. Não estou atuando como bailarina.
O que daria para Jundiaí importar daí?
Arte. Expresso meu desejo de que as pessoas responsáveis pela Cultura de Jundiaí trabalhem arduamente para que haja cada vez mais oferta artística na cidade. Afinal já foi dito: a arte é a expressão de um povo…

MAIS JUNDIAIENSES PELO MUNDO

 

O MUNDO ANGLO-SAXÃO AGRADA FRANK MARTINS

 

PARA JORNALISTA ROSELI, JUNDIAÍ JÁ TEM TUDO O QUE PRECISA

 

ELIANE NÃO VOLTARIA AO BRASIL NEM SE FOSSE PAGA EM OURO

 

A SAUDADE DOS FILHOS QUASE FEZ DÉBORA DEIXAR O CANADÁ

 

NA IRLANDA, PÂMELA FOI XINGADA, QUASE AGREDIDA MAS RECEBEU CARINHO TAMBÉM

 

NOS ESTADOS UNIDOS, WILNA TEM ORGULHO DE DIZER QUE É BRASILEIRA

 

GUIRAO, DO BAIRRO SANTA GERTRUDES, SE ELEGEU VEREADOR EM UMUARAMA

 

PARA DANILO, O BRASIL NÃO DEVE QUER SER PARECIDO COM OS EUA

 

KÁTIA ESTÁ DEIXANDO AS AMERICANAS MAIS BONITAS

 

COMO UM BANDEIRANTE, EUCLIDES DESBRAVOU NIQUELÂNDIA(GO)

 

PARA RAFAELA, JUNDIAÍ AGORA É UMA CIDADE PARA OS FINAIS DE SEMANA

 

O DESEMPREGO LEVOU CAROLINA E O MARIDO PARA A IRLANDA

 

RENATA RECARREGA AS BATERIAS AO VIR DA ITÁLIA PARA O BRASIL

 

A PEDAGOGA GISELE ESTRANHOU A NOVA VIDA EM SANTOS

 

URU É MENOR DO QUE MUITOS BAIRROS DE JUNDIAÍ. E MARIA NÃO A TROCA POR NADA

 

NO JAPÃO, MURATA TEM VERGONHA DOS ESCÂNDALOS POLÍTICOS DO BRASIL

 

SANDRA NA ALEMANHA: PREFIRO O FRIO, A SEGURANÇA, A EDUCAÇÃO E O RESPEITO

 

AS SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE O BRASIL E O MÉXICO, SEGUNDO CRISTIANE

 

NO RIO, EX-JUIZ VAI PARA O SEGUNDO TURNO

 

CANSADA DA VIOLÊNCIA E CORRUPÇÃO, ANA PAULA FOI PARA A AUSTRÁLIA

 

EX-SECRETÁRIA DE DILMA ESTÁ FORA DAS ELEIÇÕES DESTE ANO

 

DA ITÁLIA, FABIOLA NÃO VÊ ELEITOR BRASILEIRO CONSCIENTE

 

A DOUTORA QUE É TERRÍVEL CONTRA OS INSETOS

 

GENIVAL, O GUERREIRO JUNDIAIENSE QUE LUTA PELO TIO SAM


APROVEITE E ACESSE O FACEBOOK DO JUNDIAÍ AGORA! CLIQUE AQUI

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.