Alguns temas são recorrentes, ou seja, vira-e-mexe eles voltam às rodas de conversas. Como jornalista automotivo, uma das perguntas que mais ouço é: “e os carros elétricos, já são realidade? Quando eles chegam? ”.  E de tanto ser questionado sobre o tema, já criei até uma resposta padrão: “eles já são realidade, mas ainda vai levar um bom tempo para se tornarem populares…” Ou seja, ainda vamos conviver muito tempo com os bons e velhos motores a combustão, sejam eles movidos a gasolina, etanol ou diesel. A boa notícia é que todas as fabricantes de automóveis, sejam eles populares urbanos ou superesportivos, estão preocupadas em manter as vendas. Enquanto os elétricos não ganham volume de produção e baixem os custos para serem vendidos a preços de carros comuns, as montadoras investem pesado no desenvolvimento de tecnologias que façam os motores a combustão cada vez mais eficientes, econômicos e menos poluentes. E uma das grandes sacadas dos engenheiros é o downsizing dos motores. Traduzindo, é a substituição e motores maiores, por outros de capacidade menor, que usem novas tecnologias para ter a mesma resposta. Ainda está complicado? Então vamos ao exemplo do novo Golf TSI 1.0 Comfortline, que avaliamos esta semana.

Os engenheiros da marca conseguiram fazer com que o carro, famoso pelo seu bom desempenho, rode com um pequeno motor 1.0 litro de 3 cilindrose consiga acelerar melhor, ser mais rápido e, de quebra, ser econômico. O propulsor é similar ao usado no pequeno VW up!e igual ao do novo Polo.

Milagre? Sim, da tecnologia – Com 128 cavalos e disposição de sobra, o Golf TSI anda muito bem e gasta muito pouco. Ao longo do nosso teste, o Golf fez médias de 11,5 km/l, com etanol, rodando em circuito misto, urbano e rodoviário. Essa marca, além do pé direito controlado, foi possível graças ao uso da tecnologia. Além dos engenheiros da VW reduzirem os níveis de atrito dos componentes móveis dentro do motor, o Golf TSI conta também com a ajuda de uma dupla de peso: turbocompressor e injeção direta de combustível, que forçam a entrada da mistura com maior pressão para dentro dos pistões, melhorando a queima e a eficiência. Esses recursos são responsáveis por tirar potência de um motor pequeno, que como eu já disse tem apenas 3 cilindros.

Considerado o modelo de entrada da linha Golf, a versão avaliada é equipada com o novo e recalibrado motor 200 TSI, com 128 cavalos a 5.500 rpm e 200 Nm ou 20,4 kgfm de torque, a partir das 2.000 rpm. Ele trabalha em conjunto com o moderno câmbio automático de 6 marchas AQ250-6F, que oferece a opção de troca manual na alavanca ou pelas borboletas atrás do volante. Vale lembrar que a versão anterior era oferecida apenas com câmbio manual de 6 marchas e motor com 125 cavalos.

Alguns retoques no visual – Visualmente, o Golf TSI 2018 traz uma leve reestilização, que incluiu novos para-choques, novo desenho dos refletores dos faróis e lanternas DRL (faróis diurnos) de LED. Na traseira, a principal mudança só é percebida à noite, com uma nova assinatura visual, também com lâmpadas em LED.

Do lado de dentro, o Golf ganhou a nova central multimídia, com tela sensível ao toque de 8 polegadas, que permite o espelhamento do celular via Android Auto e Apple Car Play. O multimídia também exibe imagens da câmera traseira.

A eletrônica também é usada para melhorar os níveis de segurança ativa e passiva. São 7 airbags, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, bloqueio eletrônico do diferencial EDS e XDS+, controle eletrônico de estabilidade (ESC), Sistema de Frenagem Automática Pós-Colisão, e direção elétrica.

E como ele anda? – Rodando na cidade ou na estrada o Golf 1.0 faz bonito. Para começar, ele entrega quase 90% da sua a partir de 1.500 rpm, isso quer dizer que mesmo pisando levemente no acelerador o carro tem respostas imediatas. Além de dar mais prazer ao dirigir, essa qualidade faz com que o carro seja econômico.Nas arrancadas o Golf 1.0 não deixa nada a desejar em relação ao seu irmão mais forte, com motor 1.4 turbo.

VEJA TAMBÉM

CHEVROLET SPIN NÃO É MAIS UM PATINHO FEIO

CIVIC TOURING, UM ESPORTIVO PRA NINGUÉM BOTAR DEFEITO

OS CARROS VOADORES JÁ SAÍRAM DAS TELAS DOS CINEMAS

Como motor e transmissão conversam muito bem, as trocas de marcha são suaves e a força do motor é muito bem aproveitada. Em resumo, se você ainda é daqueles que torcem o nariz para os carros mil, pode tirar o cavalinho da chuva… O Golf é um carrão, se bem que a sua companhia custe caro… O modelo avaliado, com todo o pacote de opcionais, que incluem o teto solar panorâmico, é vendido por R$ 100.790. ©Joaquim Rimoli | AutoMotori 2018




Comercial do Audi R8 na medida para quem curte acelerar

Imagine uma família que abre mão do conforto de morar na cidade e vai parar no meio do deserto, tudo para ter espaço e acelerar sem medo de multas por excesso de velocidade.

Essa é a brincadeira do filme da Audi, para mostrar as qualidades do seu superesportivo R8, equipado com um gigantesco motor V10 de 610 cavalos. Essa fera, que aqui no Brasil custa mais de um milhão de reais, é o coadjuvante desse filme, que mostra um casal descolado e seus filhos numa bela casa no meio do nada.

O café acaba e o marido, sem que precisem pedir duas vezes, se prontifica buscar o café numa vendinha isolada…O problema é que ele esquece a carteira e aí… O restante da história você descobre vendo o filme, certo?

Ah, eu já ia esquecendo…  Essa casa no meio do nada existe e pode ser alugada para você acelerar um R8 à vontade! A Audi fez um acordo com o site Airbnb para quem quiser alugar a casa pela bagatela de R$ 2.545 por noite, com direito a acelerar essa supermáquina. Para quem quiser ver a oferta, basta acessar https://www.airbnb.com.br/rooms/15028061.

Infelizmente, o comercial fez tanto sucesso que as reservas estão esgotadas. Mas vai que rola uma desistência, certo? Divirta-se e não se esqueça de deixar sua curtida! ©Joaquim Rimoli | AutoMotori 2018