Para jornalista, juiz tinha CONVICÇÃO de que fazia o melhor para crianças

Duas décadas depois que Jundiaí entrou no mapa da grande imprensa por conta das adoções internacionais, Mário Simas Filho – então repórter da revista IstoÉ e que cobriu o caso – descarta o que muitos repetiram, inclusive na televisão, e foram processados: o juiz Beethoven teria ganhado dinheiro com os casos. “Tenho impressão de que ele fazia isto por convicção”, explicou.

Agora, a segunda parte da entrevista com Simas (acima com o juiz Sérgio Moro):

Você comprovou que alguém faturava com as adoções? 

Não acho que houvesse um esquema de dinheiro. Nunca cheguei a isso. Nunca surgiu nenhuma pista nessa direção. Tenho a impressão de que o juiz fazia isso por razões de convicção. Ele acreditava, ou ainda acredita, que para uma criança é muito melhor ser criada por uma família de classe média na Europa do que por pais favelados no Brasil.

Você conseguiu rastrear alguma criança no exterior? 

Não consegui fazer o rastreamento no Exterior.

Você acompanhou os trabalhos dos deputados estaduais de São Paulo e senadores?

Acompanhei a repercussão dos casos em todas as instâncias. As CPIs exigiram maior controle nos processos, o que na prática nada mudou. Tanto o Ministério Público como o Tribunal de Justiça promoveram investigações internas. Todas movidas pelo espírito corporativistas, mas tanto juiz como promotora saíram de seus postos em Jundiaí, ganharam “promoções”. E, curioso, depois disso o número de adoções em Jundiaí ficou na média das cidades de seu porte.

Quanto tempo investigou este caso?

Trabalhei nesse caso por cerca de quatro meses. Nas primeiras semanas era dedicação exclusiva, depois passei a dividir o tempo com outras reportagens.

Sofreu muita pressão dos chefes?

Havia uma pressão natural da chefia. Nada especial.

Sua rotina de trabalho foi afetada?

Como a revista é semanal, sempre fechei os textos na própria redação. Não havia a necessidade de mandar a matéria por meio eletrônico.

Quantas reportagens teve a série toda?

Foram várias edições. Não me lembro exatamente quantas.

Conquistou prêmios com a série?

A reportagem principal foi finalista dos prêmios Ayrton Senna e Esso de jornalismo.

O juiz afirma que processou o senhor…

O juiz nunca me processou. Processou, sim, a revista.

A IstoÉ foi condenada? Em quanto? Beethoven também afirma que a revista se recusa a se retratar e paga multa diária, correndo o risco de perder seu parque gráfico. É verdade?

A revista foi condenada a indenizá-lo, mas o caso ainda está correndo. Não tenho informação sobre essa questão de multa.

PARA LER A PRIMEIRA PARTE DA ENTREVISTA COM MÁRIO SIMAS FILHO CLIQUE AQUI

Beethoven, hoje desembargador, diz que foi perseguido pela imprensa. O que pensa disto?

Acho que ele realmente acredita ter feito bem para essas crianças, ainda que para isso tenha contrariado preceitos legais. Acho ainda que ele foi favorecido por seus pares em julgamentos corporativos e na única vez em que estive frente a frente com ele sai com a impressão de estar diante de alguém bastante arbitrário e autoritário, como se o título de juiz lhe colocasse acima da lei.

VEJA ALGUNS RESUMOS DE REPORTAGENS PUBLICADOS PELA ISTOÉ:

NO RASTRO DE BEETHOVEN

DIFÍCIL VOLTA PARA CASA

MISSÃO CUMPRIDA


EX-DEPUTADO DIZ QUE POLÍTICOS FIZERAM O SUFICIENTE PARA IMPEDIR NOVAS ADOÇÕES

UM SURPREENDENTE E DOLOROSO SILÊNCIO APÓS 20 ANOS

PROCESSAR O ESTADO 20 ANOS DEPOIS, ALGO PRATICAMENTE IMPOSSÍVEL

A INTÉRPRETE DE MÁGOAS GUARDADAS HÁ 20 ANOS

OS FATOS DE JUNDIAÍ MUDARAM A LEI DE ADOÇÕES, AFIRMA LÍDER DO MOVIMENTO ‘MÃES DA PRAÇA DO FÓRUM’

DE UMA SÓ VEZ, A SEPARAÇÃO DE QUATRO IRMÃOS

NATO A SÃO PAULO É ATALHO VIRTUAL ENTRE ITÁLIA E BRASIL

ANDERSON E ÉMERSON, EM DEZEMBRO, DA HOLANDA PARA O JARDIM TAMOIO

ELES REENCONTRARAM A FAMÍLIA E PRESTARAM DEPOIMENTO À CPI

A CERTIDÃO DE NASCIMENTO DE LUCAS, PROVA DE AMOR GUARDADA NUMA GAVETA

FOI O TELEFONE QUE ME TROUXE AO BRASIL 24 ANOS DEPOIS

A AUSÊNCIA DE RODOLFO, UMA FERIDA ABERTA NA ALMA DE GISLAINE HÁ 20 ANOS

DA DOR À ALEGRIA DE PROPORCIONAR UM REENCONTRO

‘JÁ ME PERGUNTEI VÁRIAS VEZES COMO SERIA O REENCONTRO COM THALITA’, DIZ MÃE BIOLÓGICA

O QUE THALITA PENSA DE NÓS? A DÚVIDA DE UMA MÃE DE CORAÇÃO

BORBOLETAS E LÍRIOS NO REENCONTRO DE MÃE E FILHAS

MAIZA É UMA DAS POUCAS MÃES QUE CONSEGUIU RECUPERAR O FILHO

“DEUS MARCOU DIA E HORA PARA EU REENCONTRAR MEU FILHO”

DA PEQUENA LIDINEIA SOBROU APENAS UMA IMAGEM DESFOCADA

O SOFRIMENTO INFINITO DE FABIANA, HÁ 20 ANOS SEM VER OS FILHOS

ADOTADOS POR HOLANDESES, IRMÃOS DE JUNDIAÍ QUEREM REVER FAMÍLIA BIOLÓGICA