A PAULICÉA vive no imaginário dos jundiaienses com mais de 40 anos

jundiai de antigamente (1)A Paulicéa, que ficava na rua Barão de Jundiaí, ainda vive no imaginários dos jundiaienses com mais de 40 anos. Durante 110 anos foi um dos pontos de encontro mais tradicionais da cidade. Foi inaugurada em 1898. Era uma padaria e confeitaria. Em 2008, foi demolida para dar lugar a uma loja de roupas. Na foto acima, o último dia de funcionamento da Paulicéa(foto acima Regina Kalman), local de boa comida, início de amizades e namoros, da boca maldita de Jundiaí.

O mesmo destino teve o prédio localizado um pouco mais adiante, na mesma calçada, no sentido da Catedral Nossa Senhora do Desterro, onde a Prefeitura ficou abrigada durante vários anos. O imóvel foi colocado no chão para se transformar na sede de um banco, bem na esquina com a rua da Padroeira.

A história da Paulicéa, motivo de saudade para muita gente, através de fotos:

PAULICÉA
O início de tudo: Arthur Fehr fundou a Paulicéa no final do século 19.
PAULICÉA
Doze anos após a fundação: a família Fehr reunida em frente ao comércio

 

Os comerciantes de 100 anos atrás já sabiam que anunciar é a alma do negócio:

PAULICÉA

 

A Paulicéa contava com veículo próprio, algo raro para o início do século passado:

PAULICÉA

 

Agora imagens que remontam os anos 50 e 60 até chegar ao dia derradeiro de um dos estabelecimentos mais queridos de Jundiaí de todos os tempos. Na segunda foto abaixo é possível ver o prédio onde funcionou a Prefeitura:

PAULICÉA

PAULICÉA

PAULICÉA
(foto: Marco Costa)