jundiai de antigamente (1)Jundiaí ainda guarda na lembrança muitos restaurantes que já não existem mais e sempre, em uma conversa ou outra, voltam à tona com pratos inesquecíveis relembrados e que chegam a dar água na boca.

restaurantes antigos 3

Na avenida Dr Cavalcanti, esquina com a rua Monteiro Lobato, funcionava o Restaurante do Português dos irmãos Lamas (acima), a casa era comandada pelos irmãos Zé, Fofão e Cebolinha e pelo cunhado deles, o Augusto.

Além da pizza portuguesa com batatas cozidas e ovos batidos que era o carro-chefe da casa (muitos diziam que era a melhor da cidade), tinha também o bolinho de bacalhau, mas o prato principal era o bom humor.

O Zé era mais sério e observador, o Fofão fazia o social e o Cebolinha, figura folclórica, guardava no bolso dezenas de canetas. Quando era chamado de garçom respondia bem sério com sua voz rouca: “garçom é a sua avó”. Arrancava risos de todos os clientes.

Na década de 1960 existia no centro de Jundiaí o tradicional Restaurante, Pizzaria e Churrascaria Haiti (foto principal), um dos locais mais badalados da cidade. Hoje em seu lugar, está  “Casas Pernambucanas”.

O Haiti (foto principal) foi fundado em 1953 pela Dona Adélia e o senhor Miguel. Eles serviam um croquete inesquecível e um brigadeiro que era um verdadeiro manjar dos deuses. Em 1970 comprado pelos Schiavi. Foi reformado e em seu cardápio foi incluído o serviço de réchaud com alguns pratos que ficaram marcados até hoje como o Capeletti Alla Papallina e o Filé a Romana, entre outros.

restaurantes antigos 4

A feijoada da Cantina do Romeu Zanini(acima), no centro da cidade, foi considerada por vários anos a melhor de toda a região. Sem contar a bacalhoada… A cantina era um local simples e aconchegante, com atendimento sempre cordial e atencioso do Romeu.

Carpas em dois momentos – O restaurante ‘Chácara das Carpas’, nas fotos acima em 1962 e 2018. O local pertencia a Giandomenico Buccianti, que foi considerado por décadas o ‘embaixador do turismo’ jundiaiense.

O restaurante das Carpas funcionou de 1940 até 1984. Após a morte de Giandomenico, o estabelecimento foi administrado por muitos anos por Egydio Amadi e Júlio Bianchi. Em 1984, devido à aposentadoria de Egydio Amadi e o falecimento de Júlio Bianchi, o restaurante fechou. (Arquivo Paulo Amadi)

Restaurante “Mil e Uma Noites”, na foto acima em 1953. O local também funcionou com o nome de “Balaio” por muitos anos. Ficava perto da avenida Jundiaí e Via Anhanguera(Foto Janczur)

 

restaurantes antigos 1

Na vila Rio Branco, a Pizzaria do Jarbas(foto ao lado) que manteve a tradição de massas de pizzas incríveis por mais de 50 anos. Não é possível citar todos os comércios gastronômicos que Jundiaí teve. Mas fica aqui registrada a homenagem a todos os comerciantes, cozinheiros, garçons e todas as pessoas desses recantos que não existem mais que serviam pratos temperados com muito amor, esmero e trabalho.

VEJA TAMBÉM:

HÁ 143 ANOS, JORNAL NOTICIAVA FUGA DE ESCRAVO DE JUNDIAHY

DOMINGOS ANASTASIO, MÉDICO, MITO E SANTO

MILTON DOMINGOS, O COMENDADOR QUE ERA O CARLITOS DE JUNDIAÍ

UMA VIAGEM NO TEMPO, DE ÔNIBUS, POR UMA JUNDIAÍ QUE NÃO EXISTE MAIS

SUSTO, O SHERLOCK HOLMES DA PRAÇA PEDRO DE TOLEDO

AS NOITES DE JUNDIAÍ NOS ANOS 80, PELOS BARES DA VIDA

O CARRO NÚMERO UM DE JUNDIAÍ

ZÉ CARIOCA ERA JUNDIAIENSE DA ‘GEMA’

O VALE DOS GARIBAS E O AMOR DE HÉLIO LUNARDI PELOS ANIMAIS

HISTORIADOR DIZ QUE SOLAR EXISTIA ANTES DE 1862

EM VÍDEO, UMA HOMENAGEM AOS IMIGRANTES ITALIANOS

BOLÃO, AOS 64 ANOS, CONTINUA SENDO UM CARTÃO POSTAL DE JUNDIAÍ

A PAULICÉA VIVE NO IMAGINÁRIO DOS JUNDIAIENSES COM MAIS DE 40 ANOS

DE CAPELA ATÉ CATEDRAL, BEM NO CENTRO DA CIDADE

O ITALIANO QUE INVENTOU O SABOR DE JUNDIAÍ, A TURBAÍNA

ARGOS DO TRABALHO DURO, SUCESSO, RESPEITO AOS FUNCIONÁRIOS E FALÊNCIA

DOM GABRIEL, QUASE BEATO, FOI O PRIMEIRO BISPO DE JUNDIAÍ

A PONTE TORTA, QUE FOI DOS BONDES, É VÍTIMA DOS POMBOS E VÂNDALOS

QUEM FALTA FAZ O EX-PREFEITO E PROFESSOR PEDRO FÁVARO

DOCE LEMBRANÇA DE UM PRIMEIRO DE ABRIL COM MEUS AVÓS

EM 1975 COMEÇAVA A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA NOVE DE JULHO

NOS ANOS 1970, JUNDIAÍ COMEÇA A GANHAR SUPERMERCADOS

A PRAÇA DA BANDEIRA, NO CENTRO, VIROU TERMINAL DE ÔNIBUS

IPIRANGA E MARABÁ DAVAM GLAMOUR AO CENTRO DA CIDADE

HÁ MUITOS ANOS, OS CARNAVAIS DE JUNDIAÍ ERAM ASSIM…

A HISTÓRIA DE UM ITALIANO PASSA POR DOIS BAIRROS DE JUNDIAÍ

QUEM NÃO SE LEMBRA DO TRENZINHO DO PARQUE DA UVA?

VOCÊ SABIA QUE O LARGO SÃO JOSÉ TEVE UM BEBEDOURO?

O CÃO FERROVIÁRIO

A COISA PÚBLICA PARA UM CIDADÃO DA DÉCADA DE 1960

REGIÃO DA PRAÇA DA BANDEIRA ERA ASSIM

HOTEL DE LUIGI PETRONI FICAVA NA RUA BARÃO

VEJA COMO A PRAÇA DA BANDEIRA ERA NO FINAL DOS ANOS 1940

QUEM TINHA MEDO DA MARIA DOS PACOTES?

A CICA MARCOU A VIDA DE VÁRIAS GERAÇÕES