26, março , 2019
Home Opinião RADICALISMO e a difícil arte da simples convivência

RADICALISMO e a difícil arte da simples convivência

Que momento nojento e difícil estamos vivendo. Ou é alienação, ou é escândalo, ou é abstenção, ou é ataque, ou é inércia. Onde esconderam a ponderação? Onde guardaram os argumentos? O que foi feito do raciocínio e da lógica que conduz cada ideia a um patamar razoável de clareza e exequibilidade? Como está difícil opinar ou expressar a opinião. Tempo de radicalismo e como a simples convivência complicou-se…

  1. Caso você comente sobre um fato municipal, aparece a bonitinha recém-admitida em cargo de confiança que prega um discurso de defensoria sem fim ao prefeito, aos vereadores, ao município. Falei sobre a floresta que está plantada no final da Avenida Luiz Latorre e a inocente veio com respostas do senso comum: é a chuva, mato é assim mesmo, a cidade está limpa. Indagada se ela tem andado pela cidade, além da rua do Rosário e Barão e além dos três shoppings ela responde que anda. Mas que o prefeito não tem culpa, que o secretário disse, que o assessor falou, que beltrano prometeu e a merda continua. A merda continua e a defensora de plantão se transforma em sua inimiga, pois nem o cumprimenta mais. Difícil.
  2. Se você elogia e parabeniza pelo Dia das Mulheres, reclamam e dizem que todo dia é dia das mulheres, que mulher é empoderada, que mulher é mãe-pai-patrão-empregada-sempre-nunca-enfim e tals. Se você não fala nada, você é machista, sem escrúpulos, mandão, poderoso e tirano. Digam-me, amigas, como vocês querem ser tratadas? Porque está muito difícil. Difícil de entender o que se pretende, o que se quer e o que se faz. Se abre a porta do carro ou se puxa a cadeira para sentar, num restaurante, é tentativa de assédio. Se elogia, é assédio, se olha, é tentativa de assédio, Só não me respondam que querem respeito, pois isso tenho visto acontecer. Os casos extrapolados são casos extrapolados, mas está bem complicado. Difícil.
  3. Agora o feminicídio desandou. Os últimos acontecimentos apontam para jovens de até 30 anos praticando um ataque selvagem a uma mulher. Interessante que tais gestos doentes e trágicos sempre acontecem em situações em que há muita droga, álcool e desmando. Espero que algum dos juízes ou promotores pergunte ao maníaco, como foi a educação dele, em casa, junto aos pais. Ficaremos surpresos com o número maior ainda de famílias sem estruturas e sem alicerces. Reduzir os feminicídio para o futuro caminha junto com reeducar os jovens pais, cada vez mais ausentes do processo formador de seus filhos. Difícil.

OUTROS ARTIGOS DE AFONSO MACHADO

COMO ANDAM NOSSAS OBSERVAÇÕES?

NÃO CONSIGO ENTENDER A DIREÇÃO DESTAS BRINCADEIRAS

TÁ BOM PRA VOCÊ?

PARA ONDE VAI TUDO ISTO?

ESTÁ BRINCANDO DE CONTENTE, NÃO É POLIANA???

É PRECISO BUSCAR O NOVO SEM SER IDIOTIZADO

RETOMAR É PRECISO, OU…

O QUE EU QUERO, MÁRIO ALBERTO???

FOI EXATAMENTE ASSIM

4. Na sala de espera de um consultório médico, nesta terça feira, ouvi que a Educação está mal porque as escolas estão sem material e sem merenda. Mas será este o real motivo? Será esta a questão de fundo? O a Educação está mal porque todo o sistema e o processo educacional estão mal? Seria interessante que se fizesse uma pesquisa junto aos docentes atuantes, em que se indagasse quantos livros ele leu no ano, excluindo os de auto-ajuda e os dos filósofos da educação de plantão. Essa pesquisa conduziria a ação governamental ao seu foco de futura atuação: formação dos formadores. Difícil.
5. E duas coisas semelhantes. Fulano é doutor porque fez Medicina e Beltrano é doutor porque fez Odonto, já Sicrano é doutor por fez Direito na São Francisco. Não, eles não são doutores. Pela lei brasileira e academicamente falando, no Brasil e no Mundo, doutor é todo aquele que fez doutorado e ponto final. E o psicólogo? Ele é psicanalista? humanista? Comportamentalista? Não. Ele é psicólogo com especialização/formação em Psicanálise ou no Humanismo ou na Terapia Cognitiva Comportamental. Uma coisa é querer ser, outra coisa é parecer ser e outra coisa, ainda, é simplesmente ser. Difícil.

Vou parar por aqui porque está muito chato de se viver em nosso país.

Perceberam que nem mencionei aspectos políticos partidários, apenas coisas do cotidiano. Até o elogio que fiz ao Poupatempo rendeu comentários maldosos e desaforados para mim. Gente mal amada é gente difícil para dialogar. Difícil.(Foto: historiadaestoria.wordpress.com)


AFONSO ANTÔNIO MACHADO

É docente e coordenador do LEPESPE, Laboratório de Estudos e Pesquisas em Psicologia do Esporte, da UNESP. Mestre e Doutor pela UNICAMP, livre docente em Psicologia do Esporte, pela UNESP, graduando em Psicologia, editor-chefe do Brazilian Journal of Sport


JÁ ACESSOU O FACEBOOK DO JUNDIAÍ AGORA HOJE?

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.