VINHETA JUNDIAI ANTIGAMENTEDe 1970 a 1980, na avenida Itatiba, havia um policial militar que cuidava do trânsito. Ele era considerado um verdadeiro anjo da guarda das crianças que estudavam no então Grupo Escolar Cecília Rolemberg Porto Guelli e também no Sesi 355, bem em frente ao posto de combustível que divide a vila Liberdade e a vila Rio Branco. O nome deste anjo era Eurydnei Moreira, o soldado Moreira.

Era o PM quem recebia meninos e meninas sempre com um largo sorriso no rosto e dentes salientes. Para todos tinha uma frase carinhosa. Moreira fitava a criança com seus olhos claros e voz ligeiramente rouca e dizia:

– Boa aula, meu anjo!

– Fez o dever direitinho?

– Amarra o cadarço senão você cai…

– Sempre respeite seus professores e pais!

Moreira colocava a mão sobre o ombro do estudante e o ajudava a atravessar a avenida Itatiba, local sempre perigoso e onde várias crianças já tinham sido atropeladas. Vale lembrar o respeito que o PM tinha com todos os pequenos.

E bastava o soldado entrar na classe para todos sorrirem. Ele era uma espécie de herói, um homem respeitado e com credibilidade. Era amado por quem o conhecia e foi motivo de várias reportagens que o descreviam como “anjo da guarda”, “profissional bondoso”, “adorado pela gurizada”, “símbolo de tranquilidade”.

Era um bravo. Militar e em plena ditadura, utilizava a imprensa para criticar os órgãos competentes para melhorar as condições do trânsito principalmente na ponte da avenida Itatiba sobre o rio Jundiaí que ficou danificada muito tempo. Por conta disso, muitos estudantes se arriscavam caminhando na estada para chegar até a escola.

Certa ocasião, Moreira foi transferido para trabalhar em outro bairro. Foi um alvoroço entre as crianças. Presenciei muitas chorando já que não queriam atravessar a avenida com outro guarda. Algumas não queriam mais ir à escola. Pais e Mães se revoltaram contra o comando da PM e rapidamente fizeram um abaixo-assinado. Moreira voltou rapidamente para o antigo posto, deixando todo mundo feliz.

MOREIRA 8

MOREIRA 6Soldado PM Eurydnei Moreira: muitas homenagens pelos serviços prestados na vila Rio Branco, onde marcou a vida de muitas crianças. Abaixo, recortes de jornais e o abaixo-assinado que trouxe Moreira de volta. Também foto dele com a esposa.

 

MOREIRA 1

MOREIRA 7   MOREIRA 5

MOREIRA 11

O soldado Moreira não cuidava só da travessia da criançada. Ele orientava e capacitava alunos e professores através de palestras nas classes. Duas vezes por ano, nas duas escolas do bairro, sempre antes das férias de julho e dezembro, lá ia Moreira falar para a garotada.

 

O soldado foi homenageado várias vezes. Recebeu placa de prata dos moradores, muitos elogios do comando em seu prontuário, homenagens de vereadores e ofícios das escolas em agradecimento.

Eurydnei Moreira nasceu em Jundiaí em 1946. Era filho de um escriturário da Fepasa, o Eurynice Moreira e da dona de casa Zenaide Margarida Avanço Moreira (abaixo, fotos do soldado na infância). Ele se casou com Aparecida Carotta Moreira em 1971, com quem teve dois filhos: Rogério e Renato.

MOREIRA 3

MOREIRA 9

MOREIRA 4     MOREIRA 2

Antes de ser soldado, estudou no Grupo Escolar Conde de Parnaíba. Na adolescência trabalhou nas empresas Duratex, Latorre e Ferraspari. Serviu o Exército em 1967 e em 1968 ingressou na PM. Primeiro serviu em Campinas e logo depois foi transferido para Jundiaí.

Moreira também trabalhou na guarda da Cadeia Pública do Anhangabaú, o Cadeião, onde evitou várias fugas. Em 1991, fez um curso de graduação para cabo. Cinco anos depois, foi reformado (se aposentou) como 1º Sargento. Ele morreu aos 68 anos, vítima de infarto, em dezembro de 2014. Se estivesse vivo, hoje, 22 de Outubro, completaria 71 anos. Parabéns Moreira, você fez seu dever direitinho!!!

VEJA TAMBÉM:

UMA DOCE, SABOROSA E RECHEADA LEMBRANÇA: O FORMIGÃO

A HISTÓRIA DO PADRE CORINTIANO, O PRIMEIRO VIGÁRIO DA BARREIRA

RAUL ZOMIGNANI, O ‘ÁFRICA’, ARTISTA DE LÁPIDES E JAZIGOS

DEU PROBLEMA? DEU CONFUSÃO? CHAMA O 13!

DALMO, O JUNDIAIENSE QUE DEU O MUNDO AO SANTOS F.C

O PRATO DO DIA: SAUDADE DOS ANTIGOS RESTAURANTES

HÁ 143 ANOS, JORNAL NOTICIAVA FUGA DE ESCRAVO DE JUNDIAHY

DOMINGOS ANASTASIO, MÉDICO, MITO E SANTO

MILTON DOMINGOS, O COMENDADOR QUE ERA O CARLITOS DE JUNDIAÍ

UMA VIAGEM NO TEMPO, DE ÔNIBUS, POR UMA JUNDIAÍ QUE NÃO EXISTE MAIS

SUSTO, O SHERLOCK HOLMES DA PRAÇA PEDRO DE TOLEDO

AS NOITES DE JUNDIAÍ NOS ANOS 80, PELOS BARES DA VIDA

O CARRO NÚMERO UM DE JUNDIAÍ

ZÉ CARIOCA ERA JUNDIAIENSE DA ‘GEMA’

O VALE DOS GARIBAS E O AMOR DE HÉLIO LUNARDI PELOS ANIMAIS

HISTORIADOR DIZ QUE SOLAR EXISTIA ANTES DE 1862

EM VÍDEO, UMA HOMENAGEM AOS IMIGRANTES ITALIANOS

BOLÃO, AOS 64 ANOS, CONTINUA SENDO UM CARTÃO POSTAL DE JUNDIAÍ

A PAULICÉA VIVE NO IMAGINÁRIO DOS JUNDIAIENSES COM MAIS DE 40 ANOS

DE CAPELA ATÉ CATEDRAL, BEM NO CENTRO DA CIDADE

O ITALIANO QUE INVENTOU O SABOR DE JUNDIAÍ, A TURBAÍNA

ARGOS DO TRABALHO DURO, SUCESSO, RESPEITO AOS FUNCIONÁRIOS E FALÊNCIA

DOM GABRIEL, QUASE BEATO, FOI O PRIMEIRO BISPO DE JUNDIAÍ

A PONTE TORTA, QUE FOI DOS BONDES, É VÍTIMA DOS POMBOS E VÂNDALOS

QUEM FALTA FAZ O EX-PREFEITO E PROFESSOR PEDRO FÁVARO

DOCE LEMBRANÇA DE UM PRIMEIRO DE ABRIL COM MEUS AVÓS

EM 1975 COMEÇAVA A CONSTRUÇÃO DA AVENIDA NOVE DE JULHO

NOS ANOS 1970, JUNDIAÍ COMEÇA A GANHAR SUPERMERCADOS

A PRAÇA DA BANDEIRA, NO CENTRO, VIROU TERMINAL DE ÔNIBUS

IPIRANGA E MARABÁ DAVAM GLAMOUR AO CENTRO DA CIDADE

HÁ MUITOS ANOS, OS CARNAVAIS DE JUNDIAÍ ERAM ASSIM…

A HISTÓRIA DE UM ITALIANO PASSA POR DOIS BAIRROS DE JUNDIAÍ

QUEM NÃO SE LEMBRA DO TRENZINHO DO PARQUE DA UVA?

VOCÊ SABIA QUE O LARGO SÃO JOSÉ TEVE UM BEBEDOURO?

O CÃO FERROVIÁRIO

A COISA PÚBLICA PARA UM CIDADÃO DA DÉCADA DE 1960

REGIÃO DA PRAÇA DA BANDEIRA ERA ASSIM

HOTEL DE LUIGI PETRONI FICAVA NA RUA BARÃO

VEJA COMO A PRAÇA DA BANDEIRA ERA NO FINAL DOS ANOS 1940

QUEM TINHA MEDO DA MARIA DOS PACOTES?

A CICA MARCOU A VIDA DE VÁRIAS GERAÇÕES