17, dezembro , 2018
Home Opinião Simples assim: somos as ESCOLHAS que fazemos

Simples assim: somos as ESCOLHAS que fazemos

Não, eu não falarei sobre eleições, tão pouco farei minha apreciação sobre este ou aquele candidato, porque a escolha é de foro íntimo e consciência é algo pessoal: cada um faz sua opção e arque com suas consequências, como cidadão brasileiro e membro de uma comunidade carente, desprovida de educação, de escolarização, de saúde, de segurança e de espiritualidade. Somos as escolhas que fazemos…

Minha escolha, infelizmente está direcionada pelo processo de exclusão, o pior dos processos, visto o fato de não haver me sentido seguro ou impressionado por nada nem ninguém que acredite dar conta do recado. Meu medo (porque eu tenho e muito) é que num segundo turno terei que escolher entre o que não quero e o que jamais quereria. Mas este é o princípio democrático vigente; não me furtarei em me posicionar.

Óbvio que não abrirei em quem votarei. Mas estou muito hábil em dizer em quem não votarei. E tenho dito.


Opção. O direito de escolher dentre algumas coisas, aquela que mais preenche os requisitos que você estipula como convincentes, ou mais adequados, ou mais apropriados. Se isto realmente é assim, significa que existem regras para escolher. Ao menos regras pessoais e modeladas de acordo com nossa escolha, nosso ponto de vista, no critério.

Todas as escolhas, diante de opções, atendem a um critério, seja ele o mais maluco, mais alucinado que seja. Legal é sempre lembrar como norteamos nossa opção, para que tenhamos em vista o que cobrar com o passar do tempo; e cobrar de nós mesmos, ou daquilo ou daquele que foi escolhido.

Estes acordos que norteiam nossas opções e escolhas são reflexos de nossas interações sociais e de nossa cultura: pautamo-nos calcados em novas perspectivas, sejam sociais, sejam culturais, espirituais ou econômicas. Mas são frutos de nossas convicções e não são tão aleatórias como gostaríamos (e dizemos) que fossem.

Uma má opção demarca nossa perspectiva. Acentua nossa tendência. Explicita nossa inclinação. Nada é por acaso nem nada é despretensioso: somos inteligentes o suficiente para avaliarmos o caminho a ser tomada por nossas opções. E, em sendo assim, somos senhores deste desdobramento inusitado de uma opção escolhida na incerteza ou na troca de favores. E, quando a escolha não é a melhor, corremos sério risco de nos decepcionarmos, conosco mesmos e com o objeto de escolha.

Talvez isso explique tanto casamento rápido e com fim abreviado. Tanta roupa comprada e descartada. Tanta comida jogada fora. Tanto livro comprado e mal lido além do primeiro capítulo. A vantagem destas escolhas pouco criteriosas é que elas atingem apenas o sujeito da ação.

Entendido ou preciso desenhar?


Queria fazer terapia mas não sei que linha ou corrente escolher. Queria um bom terapeuta, mas não sei se me identificarei com o profissional e com o processo terapêutico. Queria rever minha vida, mas não sei se terei coragem para encarar tudo e mudar algo.

Queria, queria, queria.

Queria ou quero?

Porque todas estas dúvidas ai postas são questionamentos que todos fazemos e que se desfazem ao iniciarmos a trajetória em direção ao nosso interior. Processo terapêutico é exercício interno de reconstrução, de modo que toda mudança se dará no decorrer da trajetória, numa ou noutra corrente psicológica, com este ou aquele terapeuta, que será apenas o sinalizador: o caminho é nosso. Nós o traçaremos.

Sinto que, na verdade, o que falta, neste momento de dúvida sobre escolher este profissional ou esta linha psicológica, é uma coragem de enfrentamento e uma disposição pela transformação. Este é o exercício terapêutico real.

Entretanto, independente da abordagem psicológica pretendida e ofertada e sem pensar no profissional escolhido e sua formação, é necessário que tenhamos claro que a trajetória terapêutica é formada por vertiginosas mudanças e descobertas, de coisas e situações que guardamos de nós mesmo, mas que nos libertam na medida em que partimos para o enfrentamento e projetamos o novo percurso.

Este caminho é único e escolhido por cada um de nós. Se a bússola adotada para delimitá-lo chama-se Psicanálise ou Terapia cognitivo-comportamental ouHumanista ou Sócio histórico, não será este instrumental que nos conduzirá ao sucesso: o triunfo da transformação está nas mãos daquele que se envereda pelos caminhos da reconstrução e da reformulação. Continuamos a ser os construtores de nossa história.

Terapia é para fortes. É para quem quer ter o privilegio de se olhar no espelho interno e mudar o que não está satisfazendo. Ou que não esteja adequado. Dói, sangra, mas fortalece.


Comemorou, em 27 de setembro, o dia de São Cosme e São Damião. Jovens médicos, irmãos gêmeos, perseguidos por exercerem a medicina sem cobrar por isso. Acredita-se que por volta de 300 depois de Cristo. Interessante que, em Roma, a igreja titular e basílica (Basilica dei SantiCosma e Damiano) é muito frequentada e localiza-se num dos trajetos para o Coliseu.

OUTROS ARTIGOS DE AFONSO MACHADO

O SIMBÓLICO MUNDO DOS LIVROS

PARA QUE SOFRER ASSIM?

EU ME PREOCUPO COM VOCÊ. VOCÊ É IMPORTANTE PARA MIM

NÃO, EU NÃO MATEI JOANA D’ARC!

SERÁ QUE O SÉRIO EXISTE NO PAÍS DAS FANFARRONICES?

FIZ O QUE ELE MANDOU, FIZ O QUE ELE PEDIU…

DESNECESSÁRIO MAS EXTREMAMENTE EVIDENTE

E no Brasil? No Brasil, nosso calendário litúrgico católico tem como data oficial dos santos gêmeos o dia 26 de setembro e os adeptos da Umbanda e Candomblé comemoram no dia 27 de setembro. Causa estranheza estas duas datas para um mesmo evento, mas estranheza maior fica por conta dos católicos que depositam doces nos jardins o distribuem-nos para crianças, visto que estes são poucos afeitos ao sincretismo religioso, de modo explicito.

Talvez o problema não esteja nas duas datas, mas na indecisão ou vergonha de se postar diante da fé e da escolha de liberdade de espiritualização. Comemorar São Cosme e São Damião já não nos conduz à fogueira da Inquisição, apesar de termos tantos inquisidores da fé convivendo ao nosso lado.

Teríamos que ter coragem de dizer à estes: Volte pro mar, oferenda…


AFONSO ANTÔNIO MACHADO

É docente e coordenador do LEPESPE, Laboratório de Estudos e Pesquisas em Psicologia do Esporte, da UNESP. Mestre e Doutor pela UNICAMP, livre docente em Psicologia do Esporte, pela UNESP, graduando em Psicologia, editor-chefe do Brazilian Journal of Sport Psychology.

Facebook Comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

CAPTCHA


  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Facebook Comments
  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Facebook Comments