16, janeiro , 2019
Home Chico Xavier e a Data Limite Após suposta ABDUÇÃO e sexo com ETs, Wlad diz que se sente...

Após suposta ABDUÇÃO e sexo com ETs, Wlad diz que se sente vigiado

Se quando alguém diz que viu um disco voador sempre há os que fazem piadas, o que falar daqueles que afirmam terem sofrido uma abdução, ou seja, levados por extraterrestres. É por isto que Wlad prefere utilizar um pseudônimo. Ele afirma que foi levado com sete anos, quando ainda morava no Paraná. Aos 16, passou a ser visitado por uma ET que fazia sexo com ele. Hoje morador em Jundiaí, Wlad conta que ficou cerca de oito horas com os alienígenas e que agora, anos depois, tem a impressão constante de estar sendo sempre vigiado.

Por quanto tempo foi abduzido?

Fiquei desaparecido por 7 ou 8 horas

O que ocorreu neste período?

Tenho pouca memória do lugar onde fui levado. Algo que me lembro e às vezes revivo em sonho, é um grande salão com vários seres ao redor me observando. Eu estava no centro deste salão. Não estava preso a nada. Mas conseguia me mexer. Lembro que havia algo parecido com o sol em cima da cabeça do ser do sexo feminino, bem à minha frente: brilhante, como um metal maleável e com o centro em chamas.

Poderia dar mais detalhes sobre as características dos ETs?

Tinham uma altura aproximada de dois metros. Na época não tinha noção. Hoje, depois de pensar muito, penso que eles tinham esta altura… Todos eram muito brancos como se fossem albinos, olhos muito verdes ou muito negros sem íris. Os olhos tinha a cor intensa e única, sem a parte branca. Usavam sempre de túnicas brancas sendo que alguns exibiam símbolos dourados nas roupas. Hoje, quando vejo alguns desenhos atribuídos aos deuses gregos, me faz lembrar deles, principalmente uma gravura que vi do deus Apolo.

Em seu relato(abaixo), você fala também de seres atrofiados. Como seriam?

Eles pareciam com salamandras: pele muito lisa, aparentemente muito fina, olhos grandes e com a mesma aparência do olho dos outros. Não tinham orelhas, nariz ou lábios. Veja: toda esta noção desenvolvi com o passar do tempo. No início, o medo de tais criaturas me impedia de prestar atenção. As vezes vejo desenhos e relatos de outras pessoas, e acredito que eram parecidos com o que chamam de greys(foto ao lado/oestranhocurioso.blogspot.com), mas, realmente, acho que parecem mais com salamandras. Tinha a cor cinza esverdeadas. Os olhos, de uma escuridão enorme. Lembro que às vezes, quando acordo durante à noite, sinto aquela sensação inexplicável de urgência, como se algo fosse acontecer.

Eles falavam com você?

Nunca se dirigiram a mim diretamente, por outro lado, eu conseguia sentir o que diziam, muito mais do que ouvir. A impressão que tive é que a tal mulher sentada sob o sol, discordava dos outros. Mas como eu era criança não tinha maturidade para entender. Tenho certeza de que os outros discordavam dela. Para explicar melhor a sensação que eu tinha naquele momento: era como estar numa caixa onde se toca um som muito alto e você é surdo. Não se houve a música mas sente-se a vibração e sabe que ela está tocando. Era dessa maneira que eu sentia o pensamento deles.

Documentários mostram pessoas que se dizem abduzidas afirmando que passaram por algum procedimento e têm cicatrizes. Isto ocorreu com você?

Voltei sem nenhum sinal no corpo. Pelo menos, os médicos nada encontraram… Por isso não entendia o motivo do coma. Atualmente vejo depoimentos onde grande parte dos abduzidos relatam violência física. Acho que comigo foi muito mais um trauma psicológico; não me lembro de ser machucado ou algo assim, se o fizeram, não deixaram marcas; como eu disse, não conseguia me mexer, mas não me lembro de estar amarrado. Tinha a sensação de crescer e diminuir. Logo depois ocorreu algo muito intenso que me fez desmaiar. Claro que me lembro de alguns minutos. Hoje eu me pergunto: se fiquei tanto tempo com eles, por quê? Para quê?

A mulher que discordava dos outros era parecida com eles? Há relatos de que abduzidos fizeram sexo com extraterrestres. Este poderia ser o motivo para terem levado você?

Sim! Mas não sei os motivos pelos quais ela vinha até mim. Apenas tocava meu rosto, me olhava e ia embora, mas sempre cuidava para que eu estivesse acordado para vê-la. Nessa época eu era muito jovem para imaginar que ela quisesse sexo comigo, pois eu não tinha idade nem noção para que isso ocorresse. Quando completei 16 anos voltei a ser visitado por um ser do sexo feminino. Aí sim, tenho certeza de que foi para este propósito. Todas as noites ela vinha, eu não conseguia me mexer, mas ela subia na cama e transava comigo. Eu sentia muita dor e desconforto com o ato. Não dor física, pois o prazer era tão intenso que eu não conseguia resistir, mas dor mental. Era como se algo estivesse saindo de mim. Sentia-me vazio e sem forças durante o ato, e deveria estar, pois em 20 dias, com as visitas constantes dela, perdi 15 quilos e tive uma das maiores crises de insônia de minha vida. Cheguei a ser internado e tive uma crise de alopecia e perdi quase todos os pelos do corpo. Quando criei coragem contei ao meu pai que me levou a um médico. O diagnóstico foi que eu estava experimentando as mudanças da juventude e estava fantasiando o resto. Óbvio que isso não explicava o medo de dormir ou a súbita perda de peso. Meu cabelo voltou a crescer um tempo depois.(Ilustração acima: Youtube)

Por que o escolheram?

Não imagino por que me escolheram… gostaria de achar que é porque sou especial, mas não me sinto assim. Sou um cara comum, gosto de tranquilidade. Até acho que sou inteligente, mas nada fora do normal, portanto, imagino que a escolha nada tenha a ver com um potencial fora do normal para espécie humana. Hoje sou mais realista, acho que eu estava ali, era saudável e pensaram, por que não? Uma coisa talvez faça diferença e valha a pena frisar: tenho 52 anos e não me lembro de ter ficado doente. Como diz o meu médico, tenho uma saúde de um jovem de 20 anos, mas tirando esse fato nada tenho a relatar de especial sobre mim…


O relato de Wlad, possível só depois de sessões de hipnose

Nasci em uma cidade muito pequena no interior do Paraná. Meu pai era lenhador e ajudava a derrubar a mata ao redor para plantio de pastagem para o gado e para o plantio de café.  A cidade era muito pequena e fatos estranhos eram relatados constantemente, mas sempre com uma conotação sobrenatural.

Aos 7 anos de idade eu estava com minha irmã, um ano mais nova, brincando em frente da nossa casa. Tínhamos um amigo, filho de um motorista de caminhão que morava próximo. Era por volta de 10 horas quando eu ouvi ele me chamar e então fui em direção à casa dele. Porém, senti como se uma força estranha e magnética me puxando em direção à mata. Eu sentia uma sensação de urgência e perigo, tentei chamar alguém, mas algo na mata logo no final da rua me atraia.

Entrei na mata ouvindo minha irmã e meu amigo me chamando e também chamando os adultos para que me impedissem de entrar na nela. Foi a última coisa que ouvi. Depois disso, fui encontrado mais ou menos 10 quilômetros de distância, próximo de algumas fazendas que já estavam desmatadas e plantadas. Fui levado a um hospital e por uma semana fiquei em coma. Não foram encontrados sinais de violência ou qualquer outro motivo para o coma. Todas as vezes que acordava percebia figuras no quarto me vigiando e que me causavam medo. Gritava e imediatamente ficava desacordado. Estas figuras eram criaturas enormes, de grande estatura e beleza. Mas, os que me causavam medo mesmo eram os seres pequenos e de corpos atrofiados que também estavam presentes.

Tive uma infância muito difícil, ninguém conseguia explicar o que acontecia comigo. Não ia bem na escola, não tinha amigos, era sempre muito arredio e tímido; não conseguia mais dormir sozinho e todas as noites depois que a minha irmã dormia, recebia no quarto, a visita de um ser do sexo feminino que vinha até à cama, me olhava e ia embora; acordava a casa toda com os gritos de medo… durante muito tempo minha mãe – que é muito religiosa -, tratava meu problema como uma perseguição espiritual ou delírios de criança, até que um dia minha irmã, que já era uma mocinha, também viu este ser quando começou a dormir no mesmo quarto para não me deixar sozinho. A partir daí não mais recebi a visita.

Durante muitos anos continuei vendo esses seres no meio da multidão, nos mais variados locais em que eu me encontrava. Pareciam pessoas normais, um pouco mais altos, diferentes. Parecia que somente eu conseguia vê-los. Seres de uma beleza e altura fora do normal. A medida que fui crescendo, as visões deles foram desaparecendo…

Teria considerado isto um caso sobrenatural, pois nunca havia visto ou conhecido nada sobre os ETs. Foi somente na década de 1990, num evento sobre Ufologia no Solar do Barão, que conheci a palestrante da noite, a psicóloga, hipnóloga e ufóloga, Gilda Moura, do Rio de Janeiro. Através de hipnose revivi boa parte do que aconteceu naquele dia.  Lembrei a experiência de ser levado e quando me aplicaram algo, não em minhas veias ou corpo, mas algo que foi colocado em meus olhos. Lembro dos grandes seres. Mas quem fazia todos os procedimentos eram os seres pequenos de olhos grandes de cor cinza esverdeado. Depois eles se moviam ao meu redor com várias máquinas. Não sei o que ou para que, mas me lembro da sensação: era como se eu estivesse crescendo, crescendo até tomar conta do lugar inteiro. De repente, meus dentes começavam a quebrar e a esfarelar. Eu podia sentir o gosto do pó dos dentes dentro da boca. A sensação de crescer e diminuir  se alternava..

Depois destes relatos, Gilda Moura achou perigoso continuar com a hipnose, então me despertou. Mas antes disto, lembro-me de um deles me dizendo, sem palavras, ou ‘mentalmente’, que a intenção deles era a de me levar para sempre. Algo ocorreu e eles decidiram me deixar. Sou muito grato por terem me deixado ficar. No entanto, sempre carrego comigo a impressão de estar sendo vigiado…


⇓ Você pensa na possibilidade de ter sido levado por eles?

Não, nunca parei para pensar se tivessem me levado. Na época pensei que queria minha mãe, coisa básica para uma criança… Até prefiro não pensar. Imaginar assusta.

O que acham que fizeram com você?

Pode ter algo a ver com melhoria genética. Como disse antes, não sou inteligente acima da média. A pergunta que me faço até hoje: por que eu? Não tenho resposta. Sabe, às vezes reflito assim: um fazendeiro que semeia uma fazenda, quando quer colher bons frutos, tenta melhorar o plantio… Isto é o que eu acho. Não tenho motivos concretos para fundamentar esta teoria. São só conjecturas.

Conhece outras pessoas que afirmam ter sido abduzidas?

Não conheço ninguém que tenha passado por isso… não, pessoalmente.

As abduções são comuns?

Sim, as abduções ou ‘sequestros’ são comuns. Mesmo que muitos não se deem conta disso, como eu disse. Alguns atribuem as visitas ou abduções ao sobrenatural.

Você afirma que pode vê-los na multidão. Não seria seu medo causando alucinações? Como outras pessoas não enxerga estes seres? Ou eles só se mostram para alguns ‘escolhidos’?

As vezes eu os vejo entre as pessoas. Não é mais o meu medo e como disse, em outras ocasiões eles ainda falam comigo. Quando algo ruim está para acontecer, tenho a sensação no momento do inicio do sono…a sensação de algo vibrando e sei que são eles; não acredito ser um ‘escolhido’ ou nada parecido, só acho que as pessoas não veem porque não querem.

Conhece a profecia do médium Chico Xavier(ao lado) sobre a Data Limite? Ele afirma que se o homem não se envolver em nenhum conflito nuclear até 21 de julho do próximo ano, raças alienígenas começaram a fazer contato…

Não conhecia não, até ver uma entrevista dada por minha amiga Helenice Rodrigues. talvez eles se mostrem para humanidade nesse prazo. Na minha opinião eles já estão entre nós há muito tempo. Creio que a humanidade não está pronta para tanto, ainda separamos ciência e fé, não compreendemos ainda o limite de ambas e usamos as duas para destruir e odiar. Então como seria se descobríssemos que ambas teriam que ser reformuladas? Como seria se descobríssemos que podemos falar sem palavras, apenas compartilhando a mente com o outro? Ou, se de repente pudéssemos vibrar nossos átomos e nos deslocarmos entre as dimensões? Ou ainda, se de repente pudéssemos projetar nossa forma no astral? Mentimos para nós mesmos o tempo todo, então, como abrir a mente ao irmão, sem mentir para ele ou fazer isso sem precisarmos nos esconder? Muitas coisas teriam que ser repensadas e acho que ainda não temos esse nível de evolução.

O senhor mora em Jundiaí atualmente?

Vivo em Jundiaí e por muitos anos fiz parte do Grupo Renascendo, coordenado pela amiga Helenice, que me levou a separar a visão sobrenatural que eu tinha do assunto e enxergar tudo com outros olhos; atualmente tenho me dedicado a projetos pessoais, inclusive, meu desenvolvimento espiritual. Não tenho feito mais visitas à Serra do Japi, embora ache que deveríamos olhar menos para nossos umbigos e olhar mais para as estrelas. (Ilustração principal: ovnihoje.com)

LEIA TAMBÉM

A SERRA DO JAPI ABRIGARIA UMA BASE PARA OVNIs?

ITUPEVA SOFREU QUATRO ONDAS UFOLÓGICAS ENTRE 1996 E 2000

 

Facebook Comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

CAPTCHA


  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Facebook Comments
  • Termos e condições para publicação de comentários de leitores

    O presente termo tem como objetivo informar as condições para a publicação de comentários em murais e matérias jornalísticas no site Jundiaí Agora, na forma que se passa a expor:

    É vetada a publicação de comentários que:

    • sejam falsos ou infundados;
    • invadam a privacidade de terceiros ou manifestamente os prejudique;
    • promovam racismo contra grupos de minorias ou qualquer forma de fanatismo político ou religioso, discriminando grupos de pessoas ou etnias;
    • violem direitos de terceiros, tais como direitos de propriedade intelectual;
    • tenham conotação publicitária, promocional ou de propaganda, ou, ainda, que demonstrem preferência por alguma empresa ou marca(banners publicitários, vendas on-line, etc);
    • promovam discriminação de qualquer natureza;
    • incitem à violência;
    • explorem medo ou superstição;
    • se aproveitem da deficiência de julgamento e inexperiência das crianças;
    • desrespeitem valores ambientais;
    • apresentem linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
    • promovam “correntes” ou “pirâmides” de qualquer espécie;
    • violem a legislação pátria.
    • calúnia, difamação, injúria, ofensa, perturbação da tranquilidade alheia, perseguição, ameaça ou violação de direitos de terceiros;
    • propaganda política para candidatos(partidos ou coligações) e propaganda de seus órgãos ou representantes;
    • páginas e arquivos criptografados/ protegidos por senhas;
    • programas/arquivos que contenham vírus ou qualquer outro código que ponha em risco arquivos;
    • programas ou componentes de computador de usuários que venham a acessar a página do Jundiaí Agora;
    • Todo tipo de pirataria, inclusive de software;
    • O usuário não poderá utilizar-se dos serviços do site desviando a finalidade dele para cometer qualquer atividade ilícita.

    A Rapha.com reserva-se o direito de despublicar (retirar do site) os comentários que não atendam aos padrões sociais, culturais e éticos que regem a matéria.

    Fica estabelecido que o autor do comentário é inteiramente responsável pelo conteúdo nessa havido, quer perante a Rapha.com, quer perante terceiros.

    As opiniões expostas nos comentários não representam as opiniões da Rapha.com/Jundiaí Agora.

    A Rapha.com não se responsabiliza por qualquer dano advindo dos comentários publicados.
    Os usuários do site Jundiaí Agora concordam com as regras contidas neste termo, e desde já autorizam a sua publicação, inclusive nas redes sociais, estando cientes, ainda, que os comentários poderão ser indexados em buscadores nacionais e internacionais, assim como os conteúdos a que estão vinculados.

    Facebook Comments